O encontro entre Dr. John e Luciano Leães

Dr. John e Luciano Leães em frente a casa de Pat Byrd. Foto: Kellye Bolton-Kendrick 


Não por acaso, Luciano Leães se tornou um dos músicos brasileiros mais importantes do blues sul-americano. Determinação, obstinação, talento – essas são algumas palavras que fazem parte de léxico artístico em que atua. Da atividade como sideman de artistas norte-americanos ao protagonismo solo, o resultado desse caminho percorrido aflui em “Power of Love” (2015), álbum de estreia laureado com o Prêmio Açorianos. Leia review AQUI. Incansável em perseguir os seus sonhos, por muitas vezes o pianista porto-alegrense acabou frente a frente com vários de seus heróis. Ron Levy, Allen Toussaint, Henry Butler, são alguns desses nomes. Na última quinta-feira (6) o mundo lamentou a morte de Dr. John (77), uma das maiores lendas musicais de New Orleans. Vencedor de seis prêmios Grammy, protagonista em mais de 30 álbuns, ele ainda colaborou com grupos/artistas como Canned Heat, Gregg Allman, Jonhny Winter, Grateful Dead, The Band, Van Morrison, Rolling Stones, entre outros. Há exatos quatro anos, Leães teve a chance de bater um papo com Mac, compartilhando a brisa da primavera orleanense ao lado de um de seus maiores ídolos. 

Mac e Leães. Foto: Kellye Bolton-Kendrick 
A história se passa em abril de 2015, quando Leães viajou aos Estados Unidos para conferir o 47º New Orleans Jazz & Heritage Festival. Além disso, poucos dias antes do início do festival, o músico foi convidado a participar da cerimônia de introdução de Professor Longhair ao Lousiana Music Hall of Fame. 

Entretanto, além dos eventos musicais, um convite informal o levou a antecipar sua viagem - um almoço na casa de uma nova amiga em Nova Orleans, Patricia Byrd, filha de Longhair. Leães a conhecera cerca de um ano antes, justamente enquanto fazia fotos da residência onde Pat morava com o pai. Tornaram-se amigos. 

“No dia do encontro, cheguei antes, às 11h30. Daí fiquei sabendo que o almoço aconteceria em torno das 14h. Como já estava por lá, acabei ajudando-a a organizar o ambiente. Carreguei cadeiras para o pátio, coisas do tipo. Pat estava preparando a refeição, e assim, a acompanhei até a cozinha. Aos poucos ela ia me revelando alguns dos segredos da culinária local, a autêntica 'soul food' sulista, óbvio que uma experiência gastronômica muito mais interessante do que simplesmente almoçar num restaurante de lá”, reflete Leães.  

Leães fotografando Pat e Mac. Foto: Kellye Bolton-Kendrick 
Foi quando a campainha tocou. Ao abrir a porta, Pat me chamou para ser apresentado a outro convidado, que assim como eu, também chegara mais cedo ao almoço. “Quando ela entreabriu a porta, não consegui visualizar quem era o sujeito, mas prontamente reconheci a voz característica: 'Hey, Pat! How you doing?'”. Sim, era Malcolm John "Mac" Rebennack, conhecido no mundo artístico como Dr. John. “Gelei! Imagina, ser apresentado a uma entidade, não apenas um músico importante, mas um nome que representa toda uma cultura musical, um universo que eu tanto respeito, e que estou completamente imerso desde os 16 anos, época em que conheci a música de Professor Longhair”. Apresentados, Pat educadamente despacha a dupla: "Seguinte: não quero mais homens na minha cozinha! Enquanto preparo o almoço, Luciano, pegue duas cadeiras, leve-as para fora e  conversem vocês dois.” Assim, Luciano Leães se viu sentado em frente à casa onde um de seus ídolos viveu, convidado para um almoço pela própria filha dele, conversando uma de suas maiores referências artísticas. Mundo pequeno, não?

Leães tocando com Lionel Batiste Jr, na calçada em frente a casa de Pat Byrd, na mesma tarde em que encontrou Dr. John. Foto: Kellye Bolton-Kendrick  
Em cerca de duas horas de bate-papo, antes do restante dos convidados começarem a chegar por lá, eles conversaram sobre várias coisas - Leães o auxiliou a tirar algumas fotos com fãs, curtiram juntos o preguiçoso movimento na rua e apreciaram a brisa característica da cidade. "Life is good, man! Life is good", disse Mac várias vezes, quebrando os breves silêncios entre eles - "Um silêncio que nunca foi constrangedor. Assim como eu, ele parecia confortável naquela situação", afirma Leães. Dr. John ainda parabenizou Leães pela inspiração na música de New Orleans, e disse não se surpreender com essa influência sobre um músico brasileiro. Segundo relatou recentemente Earl Gordon, baterista de Longhair e outro dos convidados nessa mesma tarde, ao chegar ao encontro na casa de Pat, Mac não estava se sentindo bem, mas o pianista disse a Earl que começou a melhorar o ânimo ao reencontrar os velhos amigos.

Em uma das lições dadas naquela tarde, Mac falou a Leães sobre os tempos em que atuou como guitarrista. Ouça:


Leães ainda disse que ajudou o novo amigo a atender o telefone, perdido num dos bolsos de seu casaco. Logo após, ajudou a ler uma mensagem no celular de Mac, e consequentemente respondeu por ele um convite confirmando sua participação num festival de cinema na Europa, pois uma de suas músicas estariam na trilha-sonora de um dos filmes concorrentes no evento - "O mais próximo que cheguei de Dr. John na vida [artisticamente] foi respondendo uma mensagem no seu celular, como se fosse ele mesmo (risos)", disse ao Memorabilia. Leães ainda reencontraria o Doutor uma última vez em New Orleans, oportunidade em que entregou um exemplar de seu CD de estreia.

Luciano Leães & The Big Chiefs ao vivo no Barco Cisne Branco (16/02/19) LEIA REVIEW
#
Essa história passa a fazer ainda mais sentido porque Luciano Leães & The Big Chiefs tocam no próximo dia 22 de Maio no Memorabilia Blues no Plataforma 85. Durante o show, Leães promete uma homenagem a Dr. John, num set dedicado ao piano blues de New Orleans, além de também promover um retrospecto de sua carreira solo, com destaque para as canções de "Power of Love". Ao seu lado, os Big Chiefs - Edu Meirelles (baixo), Caetano Santos (mandolin e guitarra), e Ronie Martinez (bateria). Nos sopros, uma turma da pesada: Júlio Rizzo (trombone), Ronaldo Pereira (saxofone) e Bruno Nascimento (trompete). Os ingressos estão à venda no Gasoline Barber (anexo ao Posto Neo rótula do Fórum na Av. Dores) e no Plataforma 85.

- Serviço -

Memorabilia Blues: c/ Luciano Leães & The Big Chiefs  
Data: Sábado (22/6)
Open: 21h
Show: 22h30
Local: Plataforma  85 (Gare da Estação Férrea, anexo ao Mercado Público)

Disk Blues: (55) 99152-4535/98411-7432/99619-1517- 
Pontos de venda: Gasoline Barber (Av. Dores, 454 - Loja A / anexo ao Neo Autoposto/Shell) e no Plataforma 85 (Gare da Estação Férrea, anexo ao Mercado Público).

Ingresso solidário/meia entrada: 1º lote R$ 60 (ESGOTADO); 2º lote R$ 80; 3º lote R$ 100 (+ 1 kg de alimento não perecível).

Ingresso normal: 1º lote R$ 120 (ESGOTADO); 2º lote R$ 160; 3º lote R$ 200 

Comentários

Postagens mais visitadas