Kiss no Brasil: 10 motivos para não perder a End of the Road World Tour

Divulgação

Por Márcio Grings

Para todos nós que gostamos de rock and roll, é uma alegria esse retorno dos grandes shows ao país. Depois de uma novo edição do Lollapalooza e de outros tantos eventos, quem novamente nos visita  — pela quinta vez  — é o KISS. O o grupo norte-americano toca nos dias 26, 28 e 30 de abril, e 1º de maio. Além do Brasil, a banda se apresenta no Chile, Argentina, Peru e Colômbia. A primeira parada dos mascarados será dia 26 de abril, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. Em seguida, o grupo parte para Curitiba, onde se apresenta na Pedreira Paulo Leminski, no dia 28. No dia 30 de abril, a turnê desembarca em São Paulo, em um show no Allianz Parque. E no dia 1º de maio, a passagem pelo Brasil se encerra na Arena Eurobike, em Ribeirão Preto.

Assista o live streaming sobre o End of the Road World Tour no canal Pitadas do Sal   

Divulgação

A turnê de encerramento do KISS começou em Vancouver, no Canadá, e já passou pelos Estados Unidos, México, Alemanha, Áustria, Rússia, Polônia, Ucrânia, França, Itália, Escócia, Inglaterra, entre outros países. A formação atual do KISS consiste nos membros originais Paul Stanley (guitarra e voz) e Gene Simmons (baixo e voz), ao lado do guitarrista Tommy Thayer (desde 2002) e o baterista Eric Singer (internamente desde 1991). 

Os ingressos para os shows no país podem ser adquiridos AQUI Para quem parte do interior do RS rumo à capital a Grings Tours | Planalto Transportes está com excursão saindo de Santa Maria e também com esquema de saída em qualquer parte do Estado rumo ao evento. Saiba mais AQUI Para você que está indeciso se vai ou não vi ao show, listamos 10 motivos para impulsioná-lo até a experiência única de sentir o som batendo no peito em frente a um show internacional.     

Divulgação

1 — UMA BANDA QUE SEMPRE O ENTREGA O MÁXIMO

O KISS não foi o único criador, mas certamente é um dos inventores daquilo que hoje chamamos de circo do rock and roll. Pirotecnias no palco, a utilização do elemento cênico, a criação dos personagens como super-heróis do gênero,  a estrutura de suas apresentações com gigantescos palcos, luzes, cuspes de sangue e, claro, as tradicionais maquiagens. Tudo que uma noite especial merece.  

2 — AINDA HÁ INGRESSOS À VENDA

Compre sempre pelo Uhuu!site oficial do evento. De acordo com Lei Municipal, não será cobrado passaporte vacinal.  

Divulgação Arena

3 — SETLIST REPLETO DE CLÁSSICOS

Levando em conta o que foi tocado até agora, metade do show compreende apenas três álbuns: do primeiro disco, "Kiss", de 1974, eles tocam "Cold Gin", "Deuce", "100,000 years" e "Black Diamond"; de "Destroyer" (1976) temos "Detroit Rock City", "Shout I Out Loud", "God of Thunder", "Beth" e "Do You Love Me"; e de "Creatures of the Night" (1982), vamos ouvir "War Machine" e "I Love It Loud"; 10 músicas que compõem metade do set e nos dão a sensação exata de o melhor em um retrospecto. E para completar essa receita, o grupo pinça recortes específicos de outros bons momentos de sua discografia: "Let Me Go, Rock’N’Roll" (Hotter Than Hell/1974); "Rock and Roll All Nite" (Dressed to Kill/1975); "Calling Dr. Love" (Rock and Roll Over/1976);   "Love Gun" (Love Gun/1976); "I Was Made for Love to You" (Dinasty/1979); "Lick It Up" (Lick It Up/1983); "Heaven’s On Fire" (Animalize/1984); "Psycho Circus" (Psycho Circus/1998) e "Say Yeah" (Sonic Boom/2009). Se você é fã do Kiss, decepção zero nesse novo encontro com os mascarados. Ouça no player abaixo.

 

4 — ÚLTIMA CHANCE DE VÊ-LOS?

Pode parecer conversa fiada, pois muitas bandas já anunciaram turnês de despedida que nunca acabam. Não parece ser o caso do KISS. Segundo o site Roadie Metal, Gene Simmons conversou com Kevin Frazier , do ET , sobre a turnê de despedida “End Of The Road” do KISS , que foi lançada em 2019 e está programada para terminar em 2023, 50 anos após a formação da banda.

“Começamos a tocar nos estádios ao ar livre da América do Sul, literalmente dentro de duas semanas, e continuamos para a Europa e Austrália e, eventualmente, América do Norte, Japão, todas essas coisas. México”, disse Simmons . “E esta será a última turnê. Terminamos. Estamos nos aproximando de 50 anos fazendo isso, o que é inacreditável, porque nunca pensamos que duraríamos mais do que alguns anos”. 

“End Of The Road” estava originalmente programado para ser concluído em 17 de julho de 2021 na cidade de Nova York, mas desde então foi prorrogado. A jornada foi anunciada em setembro de 2018 após uma apresentação do KISS da música clássica da banda “Detroit Rock City” no “America’s Got Talent” . Formado em 1973 por Stanley, Simmons, o baterista Peter Criss e o guitarrista Ace Frehley, a primeira turnê de “despedida” do KISS foi em 2000, última a apresentar a formação original do grupo. 

Gene Simmons

5 — GENE SIMMONS (The Demon)

Aos 72 anos, Gene Simmons, nome artístico de Chaim Witz (25 de agosto de 1949), foi eleito o 50° melhor baixista de todos os tempos pela equipe da Loudwire e o 29° melhor vocalista de heavy metal e hard rock de todos os tempos pela revista Hit Parader. Fundador do Kiss, ao lado de Paul Stanley, Simmons participou de todos os álbuns da banda. Contrariamente a muitas personalidades do rock, Simmons afirma "nunca ter consumido drogas, nunca ter fumado nem nunca ter bebido álcool demais em toda a sua vida. Entre suas composições notáves estão "Roll All Nite", "Shout It Out Loud", "Christine Sixteen" e "War Machine". 

Paul Stanley
6 — PAUL STANLEY (Starchild)

Aos 70 anos, Stanley Bert Eisen (Nova Iorque, 20 de janeiro de 1952), mais conhecido como Paul Stanley, foi eleito pela revista Hit Parader como o 18º melhor vocalista de heavy metal de todos os tempos. É ainda guitarrista, compositor, fundador, líder do grupo e um dos “frontman” mais conhecidos da história do rock and roll. Stanley é autor de grande parte dos sucessos do KISS, entre eles temas como "Love Gun", "God of Thunder" e "Black Diamond". Seus grandes momentos como vocalista passa por canções como "Detroit Rock City", “I Was Made for Lovin' You” e “Heaven's on Fire”, além da veia romântica carimbada em músicas como "Reason to Live", "Forever" e "Every Time I Look At You”. 

Eric Singer

7 — ERIC SINGER 

Além do KISS, aos 63 anos Eric Singer já gravou ou tocou com Black Sabbath, Alice Cooper, Badlands, Brian May, Gary Moore, Gilby Clarke, Lita Ford, Doro Pesch, entre outros —  é considerado um dos mais técnicos bateristas do gênero. No Kiss, Eric grava o álbum "Revenge"(1992), e mais tarde o Alive III (1993) e participou da turnê de "Kiss My Ass" (1994). Após, grava "Kiss Unplugged" (1996) e "Carnival Of Souls: The Final Sessions" (1997). Com a volta do baterista Peter Criss, é demitido, mas retorna em 2001, onde entre outras idas e vindas grava "Sonic Boon" (2009) e "Monster" (2012). Singer tem seu momento solo no show, quando ao estilo do que Peter Criss fazia no palco, canta "Beth", a maior balada da discografia da banda.   

Tommy Thayer 

8 — TOMMY THAYER 

Aos 60 anos, Tommy Thayer está no KISS desde 2002, e como guitarrista solo e vocalista de apoio, além de trabalhar na estrada com os mascarados, gravou os dois últimos álbuns de estúdio do grupo. Nessas duas décadas de atuação, Tommy ganhou a simpatia dos fãs e tornou-se respeitado como o guitarrista mais estável de todas as formações, servil aos patrões Paul e Gene, e digno de espelhar o material de grandes guitarristas que passaram pelo Kiss, nomes como Ace Frehley.       

Divulgação

9 — PARA QUEM PARTE DO INTERIOR RUMO À CAPITAL

Com toda a experiência de 10 anos de turnês rumos aos grandes shows internacionais no Sul do Brasil, a Grings Tours orienta e transporta fãs de rock até os grandes shows. A novidade deste retorno aos espetáculos internacionais na Capital está na parceria com a Planalto Transportes, dobradinha que garante segurança, conforto e tranquilidade no bate e volta até os shows. Saiba mais AQUI    

10 — EVITAR FUTUROS ARREPENDIMENTOS 

Depois você vai ler a resenha do espetáculo, ouvir os comentários dos amigos, ver a repercussão na internet e inevitavelmente perguntará a si próprio: “Por que não fui ao show?”. Eu não tenho a mínima ideia. Nós que aqui estamos, lá estaremos. 

Comentários

Postagens mais visitadas