Review: Luiz Carlos Sá "Solo e bem acompanhado"

Divulgação

Por Márcio Grings

Aos 76 anos, o carioca Luiz Carlos Pereira de Sá já deixou seu nome marcado na história da MPB. No início dos anos 1970, ao lado dos amigos Zé Rodrix e Guttemberg Guarabyra — o conhecido trio Sá, Rodrix & Guarabyra, foi um dos criadores do chamado rock rural brasileiro, colocando no mundo sucessos como “Primeira Canção da Estrada”, “Hoje Ainda é Dia de Rock”, “Mestre Jonas” e “Pó da Estrada”. Com a saída de Rodrix, Sá & Guarabyra seguiram juntos, emplacando mais sucessos: “Sobradinho”, “Espanhola”, “Caçador de Mim”, “Cheiro Mineiro de Flor”, “Verdades e Mentiras” e “Dona”. Além do trabalho em duo ou trio, o músico se emparceirou com nomes como Chico Cesar, Ivan Lins, Zeca Baleiro, Flavio Venturini, 14Bis, entre outros. Já suas composições ganharam voz em Ney Matogrosso, Milton Nascimento, Elza Soares, Nara Leão, Evinha, Gal Costa, Beto Guedes, MPB4, entre demais grupos e artistas.   

Apesar de muitas décadas de atraso — esse era um desejo antigo — Sá finalmente lança em maio seu primeiro CD individual, projeto que conseguiu concretizar em “Solo e Bem Acompanhado”. O álbum conta com participações de Frejat, Lucy Alves, Roupa Nova, Armandinho e Golden Boys. Das 12 canções, 9 são inéditas. 19 músicos participaram das gravações, sendo que o álbum começou a ser gravado a mais de 20 anos no Rio de Janeiro, parte em 1999/2000 nos estúdios Joá e finalizado na Cia. dos Técnicos, em 2018/19. A produção é assinada por Vinicius Sá e coprodução de Filipe Freire/Lourival Franco, com a assistência de Miguel Sá. A mixagem é de Flávio Senna e a masterização é de Ricardo Cecchi. 

 Veja a live de Sá no Pitadas do Sal  

Frejat e Sá. Fonte: Intagram Sá

O que ouvimos no disco é uma mescla da linguagem folclórica, regional, da MPB, elementos o pop e do rock e sutis trânsitos com o jazz, mas tudo isso equilibrado com maestria por um cantor e compositor que sempre caminhou por tudo isso sem soar pretensioso. E "Solo e Bem Acompanhado" é um resumo da ópera dessa linguagem explorada por Sá ao longo de sua carreira. 

Com essência acústica, "A Ilha" é quase uma balada rock e bate de raspão no blues — talvez por culpa da participação de Roberto Frejat no slide e nos vocais. A limpeza do arranjo dá o tom do disco — não ouviremos excessos em "Solo e bem acompanhado". Lançada originalmente em 1979, a canção ganhou o mundo na voz do cantor Tavito, e agora encontra sobrevida nessa nova versão. O início e o solo de violão de "Não me empurre atôa" nos jogam na música caipira, mas por outro lado a visita de um orgão Fender Rhodes cola na ambiência do pop feito nos anos 1970 — é um dos grandes momentos do disco.  

A indigenista "Pra contar pra mim" nasceu após Sá conhecer um integrante da tribo Krahó numa mesa de bar. Do relato que ouviu surgiu a ideia de canção — "Era inteira a nação de muitos/ Disso tudo restou um só pra falar/ Dessa guerra infeliz sem frutos". O compositor consegue fazer de um tema tão complexo uma canção sensível, no caso uma conflito entre duas tribos — e com uma letra que hoje também nos leva para a Guerra na Croácia e da violência de qualquer espécie de conflito. "Eu te via clareando", parceria com o poeta Torquato Neto, traz o acordeom e a voz de Lucy Alves. Ainda com ares regionalistas, com Armandinho (A Cor do Som) no bandolim, "Serra mineira" vai além — é quase bossanovista, jazzy, sem deixar de soar como se fosse um cancioneiro na fundo da grota das Minas Gerais.        

Entre outros momentos de destaque está "Um povo com vida”, parceria com o multi-instrumentista senegalês Mamour Ba´, ainda conta com o baixo fretless personalíssimo do saudoso Arthur Maia; "Os dez mandamentos do amor" tem as vozes de apoio dos Golden Boys e o sucesso absoluto "Caçador de mim" (tantas vezes regravada) resgata a parceria com o Roupa Nova. "Mato e morro" fecha "Solo e bem acompanhado" com acentos latinos, numa espécie de salsa com rumores jazzísticos.

"Solo e bem acompanhado" é u disco nescessário, candidato fortíssimo a um dos grandes lançamentos nacionais de 2022. Segundo Sá, o álbum deverá ser lançado em LP e CD. Aguardemos cenas dos próximos capítulos.  

Comentários

Postagens mais visitadas