Clube Big Beatles — muito mais do que um clube de amigos

Arte da capa Kiko Silveira. Divulgação CBB

Por Márcio Grings

Pra início de conversa,  é no mínimo curioso ouvir um álbum que reúne artistas com blends tão diversos — Armandinho Macedo, Dado Villa-Lobos, Edgard Scandurra, Evandro Mesquita, Flávio Venturini, Ivan Lins, Jerry Adriani (1947–2017), João Barone, Andreas Kisser, Leo Gandelman e Zé Renato. Ancorado por Mark Fernandez (guitarra e teclados), Marcos Sucupira (guitarra e voz), Márcio Yguer (baixo e voz), Dudu Rossi (bateria e voz) e Edu Henning (percussão e voz), "Clube Big Beatles" foi gravado em estúdio ao longo de quase uma década, sendo lançado recentemente, agora no início de 2021. O nome já entrega de cara qual é o barato do pacote: trata-se de uma celebração ao cânone beatle. E além do time de peso com artistas brasileiros, ainda temos registros ao vivo com duas figuras celébres no imaginário do Fab Four, pois lá estão o músico inglês Pete Best, simplemente o primeiro baterista dos Beatles, além do cantor/guitarrista britânico Tony Sheridan (1940–2013), nome ao qual os rapazes de Liverpool tiveram seu debúte no mercado fonográfico, isso poucos meses antes de ganharem o mundo com a beatlemania.   

Ivan Lins e Edu Henning, músico e produtor do álbum. Foto: divulgação CBB 

Confira o tracklist de "Clube Big Beatles":

Lady Madonna 

Get Back c/ Andreas Kisser

I Feel Fine c/ Jerry Adriani 

Eleanor Rigby c/ Ivan Lins 

Whille My Guitar Gently Weeps c/ Edgard Scandurra  

When I’m 64 c/ Bruno Gouveia 

Ticket To Ride c/ Dado Villa-Lobos 

Something c/ Armandinho Macêdo 

Drive My Car c/ Evandro Mesquita 

Money c/ João Barone

The Long And Winding Road c/ Flávio Venturini 

Nowhere Man c/ Zé Renato

Leo Gandelman – Come Together 

Bônus - gravadas ao vivo: 

Tony Sheridan – Yesterday 

Pete Best –  My Bonnie 

Banda da Polícia Militar – She Loves You

Mark Fernandez, Flávio Venturini e Edu Henning. Foto: divulgação CBB

Com 30 anos de rodagem, o Clube Big Beatles é uma banda formada em Vitória (ES). Há 26 anos consecutivos, os rapazes se apresentam no Internacional Beatle Week, tradicional evento que celebra a mais preciosa prata da casa de Liverpool. Se você é fã de John, Paul, George e Ringo, impossível não ficar no mínimo curioso para ouvir as versões materializadas no álbum. Entre os destaques, como não sorrir ao prescrutar a guitarra de Edgar Scandurra enquanto você chora baixinho com o fone de ouvidos a todo volume em "While My Guitar Gently Weeps"; Já em "When I'm 64", Bruno Gouveia não parece se inspirar em Paul, pois a voz que nos guia ressurge como a de Ringo, e assim faço o exercício de estar ouvindo uma versão nunca antes revelada, como se tivesse sido desencavada direto dos porões da Abbey Road; Ivan Lins entorta a vara em "Eleanor Rigby"e faz um vis-à-vis bossa-novista com "Garota de Ipanema"; Flávio Venturini flana como uma pluma ao vento em "The Long and Winding Road. Contudo, se você aguarda algo rascante e perigoso, Leo Gandelman revela em "Come Together" uma espécie de sound-track perfeita para embalar um filme de Gordon Parks nos anos 1970. Já no apagar das velas, Pete Best e Tony Sheridan nos inundam com imagens pictórias de um final feliz. Assim, todos somos abduzidos pelo espectro da maior banda de todos os tempos. 

Clube Big Beatles. Foto: divulgação

Momentaneamente disponível apenas em streaming, "Clube Big Beatles" será lançado em CD no próximo mês de novembro, mas apenas no Japão e Inglaterra. Também há tratativas para o álbum ser editado nesses dois países em vinil. Ironicamente, aqui no Brasil, não há data prevista para o álbum chegar às prateleiras. 

Por aqui, divirta-se e boa audição.  

Comentários

  1. Sensacional a resenha. Se antes já está curtindo os sons, depois desse texto as canções ganharam ainda mais cores! Sou teu fã!!! 🤘🏻♥️

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas