Review - "Muralha Trio" (2019)

Arte da capa por Rodrigo Marroni
Por Márcio Grings

Apostando fichas na música instrumental e suas diversas possibilidades, o Muralha Trio prepara uma já esperada estreia autoral. O grupo formado por Edu Meirelles (baixo), Murilo Moura (teclados) e Gustavo Telles (bateria), lança seu primeiro EP homônimo virtual com três músicas instrumentais: "Efeito Dominó", "Super Moon" e "Na Contramão da Multidão".  A gravação, mixagem  e produção do EP ganham a digital de Júlio Porto (Estúdio Marmitta), com masterização de Alex Wharton (Paul McCartney, Radiohead, Pixies), engenheiro  residente no lendário Abbey Road Studios, em Londres. 

O esquema de lançamento propões apresentações específicas para cada uma das músicas, como singles. O première #1 será na próxima sexta-feira (25), no Gravador Pub (Conde de Porto Alegre, 22 - PoA), jogando luz em "Efeito Dominó". Saiba sobre os eventos na Página do grupo no Facebook. 

Moura, Telles e Meirelles, o Muralha Trio. Foto: Rodrigo Marroni
Tive a oportunidade de assistir duas apresentações do Muralha Trio. Além do esquema instrumental, ao vivo o trio investe suas fichas em releituras diversas, num clima de total descontração e improvisação. Podemos ouvir repaginamentos de sucessos da MPB, uma série de pequenos enxertos jazzísticos, pitadas de blues e ligações diretas com o soul nacional/norte-americano.

Juntando mesclas de cores, no EP, muito desse espírito cosmopolita acaba por impregnar aquilo que foi construído no trabalho inaugural. Para início de conversa, a grande sacada do trio é sair do quadrado habitual da maioria das bandas. Na proposital ausência de um guitarrista, brilha o talento de Murilo Moura, principal solista do Muralha, sempre guarnecido pela consistência da cozinha Telles/Meirelles. Made in 70's.

E as visões musicais surgidas dessa junção possuem marcas bem peculiares da individualidade dos integrantes, basta perceber o que cada um dos músicos compôs no conteúdo que se agrupa como EP. De todo o modo, os temas mantem uma ligação em comum através das escolhas e arranjos. A soma dessa cominhão artística ganha marcas de uma deliciosa sonoridade instrumental

Confira a releitura do Muralha para "Put It Where You Want It" (The Crusaders). Filmagem/edição: Lucas Costanzi / Gravação de áudio/mixagem: Viça Guedes (Estúdio IAPI).
  


Esmiuçando o que senti ouvindo a estreia autoral do Muralha, em "Efeito Dominó", de Moura, somos içados até fusões propositais entre a MPB e jazz (ou vice-versa),  um caminho percorrido por músicos como Lincoln Olivetti, e que ainda continua a inspirar outros artistas. O resultado dessa intenção aflije sonoridades internas, além de profusas camadas instrumentais, muitas vezes propondo flertes (nas entrelinhas) com a base instrumental do hip hop. "Super Moon", de Meirelles, sugere um pseudo embalo caribenho, para na verdade fincar o pé na música brasileira, sem deixar de nos recordar do riff central, um adesivo pop que gruda na memória. "Na Contramão da Multidão", de Telles, é tingido pela vibe do rock/soul dos anos 1970, seja pelo clavinete ao estilo de "Superstition" (Stevie Wonder), mas principalmente pela inteligente alternância de teclados de Moura (wurlitzer e hammond). O groove da bateria nos mantém ligado no constante abre/fecha do chimbal,  batida que ainda nos convoca a dançar no compasso das levadas de caixa/bumbo, tema feito sob medida para chacoalhar o esqueleto.

Saiba mais sobre o lançamento da próxima sexta-feira (25) no evento do lançamento no Facebook  

Muralha Trio. Foto: Zé Carlos de Andrade

Comentários

Postagens mais visitadas