Pitty em Porto Alegre: cantora volta às origens e nos transporta para seu mundo


Foto: Alice Pozzobon
Review Ana Bittencourt Fotos Alice Pozzobon

Pitty sabe quem é e de onde veio. Isso ficou claro na no sábado (05), quando a cantora se apresentou no Pepsi on Stage, em uma noite de garoa em Porto Alegre. Mas, se fazia frio lá fora, a temperatura subiu e muito no interior da casa de shows. Com meia hora de atraso - que não chegou a incomodar a plateia - a baiana apresentou aos gaúchos a turnê do disco Matriz, lançado em abril desse ano.

Foto: Alice Pozzobon
Antes, porém, quem aqueceu a plateia foi a estreante Alice Kranen. Cantora, compositora, violonista e pianista, a gaúcha de 14 anos (sim, 14), foi convidada pelo projeto Palco Aberto e mostrou desenvoltura ao apresentar canções que vão compor seu primeiro álbum, produzido em parceria com o selo Marquise 51. Trilhando caminho na cena musical porto-alegrense, a jovem artista apresentou músicas próprias e conduziu uma bela versão de Zombie, (The Cranberries). Alice esteve acompanhada por  pelo veterano Lucas Hanke (guitarra), Lucas Georgetta (bateria) e Nico Demeneghe (baixo e teclado) - aliás, na noite em que as mulheres dominaram o palco, a jovem musicista chamou atenção no palco.

Foto: Alice Pozzobon
Depois da apresentação da gaúcha, o palco foi preparado para dar lugar ao "santuário" da Pitty. Em um show com muitos efeitos visuais no telão - grande parte deles reproduções da artista plástica argentina Eva Uviedo - uma rápida introdução com "Bicho Solto" e a capa do disco "Matriz" projetada abre as portas do que o público vai presenciar nas próximas duas horas. Por sinal, um bonito adereço, figurino em que vemos Pitty com as costas nuas, vestindo um abadá de capoeira e segurando um ramo de arruda. Ao final, tudo se conecta.

Foto: Alice Pozzobon
A partir daí, Ninguém é de Ninguém - canção-manifesto de amor livre - comprova que nenhum espectador vai conseguir ficar parado em qualquer setor do Pepsi on Stage. Para mim, estreante em um show da cantora, fica impossível negar a energia, a segurança e a elegância da Pitty. A mulher é muito, muito gigante no palco. É ela quem dá as cores, os timbres, a cadência e o ritmo do espetáculo. Acompanhada de músicos geniais (Martin Mendonça na guitarra, o anfitrião gaúcho Guilherme Almeida no baixo, Paulo Kishimoto no teclado e Daniel Weksler na bateria), é Pitty quem conduz o conduz o andamento das ações.

Foto: Alice Pozzobon
Rebolativa na medida, vestida de preto com acessórios escarlate, sensual em uma saia rodada de tule (com generosa transparência), as tatuagens, o cabelão vermelho e piercings, Pitty seria o esteriótipo da roqueira. Mas se tem coisa que ela não quer ter ou definitivamente não tem a partir desse disco, são rótulos. Em "Matriz" Pitty traz uma musicalidade genial fortemente ligada as suas raízes baianas.

Foto: Alice Pozzobon
A mistura de ritmos brasileiros e latinos fica evidente e fazem um contraste interessante com as guitarras distorcidas e a bateria enérgica do marido, Daniel. Em algum momento, assistindo de longe, pensei: "Esse rock é pra dançar!". E sim, a quantidade de pessoas, principalmente garotas, dançando como se não houvesse amanha ao meu redor comprovava que esse disco pode ser bom na vitrola, mas ele é muito, muito melhor ao vivo. Se você curte shows arrastados, é introspectivo ou mais contemplativo, certamente irá se sentir um 'peixo' fora d'água no show dessa turnê.

Foto: Alice Pozzobon
Obviamente, o momento nostalgia do show não poderia falta, lindamente representado com as canções melódicas "Na Sua Estante" e "Equalize" (no bis). Mesmo hipnotizados, os fãs no Pepsi não deixaram a peteca cai e cantaram muito, muito forte ambas as canções. Foi realmente de arrepiar até o mais blasé dos espectadores.

Foto: Alice Pozzobon
Outro momento tranquilo (e necessário para a galera respirar) durante o show foram as versões acústicas de "Teto de Vidro" e "O Lobo". Nesse momento, Pitty, Martin Mendonça e Guilherme Almeida pegam seus violões e, em círculo, nos transportam ao início da carreira da cantora. Inclusive, o telão exibe imagem de um quarto com paredes repletas de pôsteres. E com isso, Pitty fala à plateia sobre a lembrança da menina que cantava e tocava três acordes, "achando que podia se expressar" (palavras dela).

Foto: Alice Pozzobon
"Todo mundo tem um instrumento pra se expressar. Isso aqui não é saudosismo. Isso aqui é olhar pro futuro. Bem-vindos ao meu quartinho em Salvador", afirma a baiana, comprovando que "Matriz" é sim sua volta às raízes, algo que ela já queria e sinalizava desde o disco "Setevidas". No álbum, Pitty introduz, ainda que timidamente, elementos da música africana com percussão, agogô e tambores de candomblé, tudo de forma experimental, mas que já davam a tônica de onde ela queria chegar com sua música.

Foto: Alice Pozzobon
De todo modo, se alguém tentou, foi difícil ficar indiferente diante da participação especial do show em Porto Alegre: BaianaSystem. Formado em 2009, o grupo baiano que mistura rock, reggae e brasilidades fez bonito no palco junto com Pitty e banda. Juntos, tocaram duas faixas (Duas Cidades e Roda). E se a coisa já estava caótica até aqui - no melhor sentido da palavra - a catarse final veio com dois hits na sequência: "Me Adora" e "Máscara" (essa última com a participação de Alice Kranen, convidada a voltar ao palco à convite da roqueira).

Foto: Alice Pozzobon
A essa altura, quem não tinha mais fôlego pôde respirar um pouco, enquanto o guitarrista Martin cantou "Bom Brasileiro", da banda gaúcha Cachorro Grande, isso já no bis. Depois dela, Pitty volta ao palco para encerrar com "Equalize" e a sempre necessária mensagem de "Serpente". Emocionante. Deu um aperto no peito, não sei explicar porquê. Mas foi um aperto bom, sabe? Acho que no coração da Pitty, dos músicos e do público rolou uma nostalgia bonita, mas com a certeza de que "logo mais, amanhã já vem". Obrigada, Pitty. Foi realmente uma grande noite. 

E o que dizer do público no Pepsi? Apesar da casa não estar lotada, a plateia fez bonito em dois momentos. O primeiro deles quando cantou "Parabéns a você" para a cantora baiana, que aniversaria nessa segunda-feira (07). E o segundo, quando entoou um recado não muito gentil ao presidente brasileiro. A manifestação foi espontânea e culminou com a entrada do BaianaSystem no palco. O que serviu para lembrar que arte é resistência.

Foto: Alice Pozzobon
Nossos agradecimentos a Paulo Finatto (Opinião Produtora), pelo suporte e credenciamento e aos passageiros que fizeram essa trip acontecer. 

Setlist

Bicho solto
Ninguém é de ninguém
Admirável chip novo
Memórias
('Get Up Stand Up' from Bob… more )
Setevidas
Noite inteira
Te conecta
Na sua estante
Motor
Redimir

Acústico

Teto de vidro
O Lobo

Submersa
Duas cidades (com BaianaSystem)
Roda (com BaianaSystem)
Bahia blues
Me Adora
Máscara (com Alice Kranen)

Bis

Bom brasileiro (solo Martin Mendonça em cover da Cachorro Grande)
Equalize
Serpente

Foto: Alice Pozzobon

Foto: Alice Pozzobon

Foto: Alice Pozzobon

Foto: Alice Pozzobon

Comentários

Postagens mais visitadas