Review: O Diabo na Encruzilhada - a história de Robert Johnson

Divulgação Netflix
Documentário do Netflix que conta a história de Robert johnson já está disponível


Apenas duas fotos, nenhuma filmagem, 29 canções gravadas e uma série de lendas envolvendo sua vida e morte. "Robert Johnson acorda o gênio dentro de nós. Mas com o gênio, também vem o diabo", é o que diz Keb' Mo' no documentário "O Diabo na Encruzilhada", novo capítulo da sensacional Remastered,  série documental que investiga episódios e personagens importantes do mundo da música. Com direção de Brian Oakes, o filme analisa a vida de uma das mais misteriosas e míticas figuras da música mundial, Robert Johnson, bluesman norte-americano que morreu aos 27 anos, em agosto de 1938. Relatos de estudiosos da cultura afro-americana, familiares, críticos musicais e diversos nomes relacionados ao blues, debatem as histórias e mitos que ainda gravitam sobre Johnson. A infância difícil no Mississippi, a ausência de uma figura paterna, as relações amorosas, a vida pregressa de músico itinerante peregrinando de cidade em cidade, o alcoolismo, e como o talento de Robert Johnson se desenvolveu, visionando além do mito de um suposto pacto com o diabo. 

Reprodução Netflix
"O mito é tão poderoso. Por que as pessoas gostam de sentir que entenderam o motivo por trás das coisas, para sentirem que sabem. Há coisas que não devemos entender", é o que diz Steven Johnson, neto de Robert Johnson. "Eu sei que em algum momento na vida de todos nós, chegamos a uma encruzilhada e temos que escolher o que vamos sacrificar para chegar à grandeza", complementa. O provável encontro com o capeta na encruzilhada é analisado, mas joga luz principalmente no velho confronto entre religião e cultura popular. As letras de Johnson dão muitas pistas sobre a absorção e seu envolvimento com o hoodoo, forma tradicional de magia afro-americana bastante praticada no Sul dos Estados Unidos nas décadas de 1920/30. 

Bill Howl-N-Madd Perry fala como ele vê os dramáticos episódio que levaram a morte de R. Johnson. Reprodução Netflix 
Participações de Keith Richards, Bonnie Raitt, Taj Majal, Terry 'Harmonica' Bean, e outros tantos músicos e apaixonados pelo blues. Entre os depoimentos, bacana ver por ali a figura carismática de Bill Howl-N-Madd Perry, músico que no final de 2018 passou pelo RS, com shows em Porto Alegre, Caxias do Sul (MDBF) e Santa Maria. Leia review do show em Santa Maria AQUI  

Além da  sensacional música de Robert Johnson,  o documentário também é uma aula de história, esmiuçando a dramaticidade de uma das épocas mais difíceis para a sobrevivência digna do homem negro norte-americano. No meu ponto de vista, o diabo na alma de Johnson era a própria vida de exploração que ele e seus ancestrais fugiam, sob o nefasto domínio de uma escravidão simbólica. Foi no blues que o músico encontrou sua alforria espiritual, um veículo que o ajudou a negociar sua breve existência entre nós. Na verdade, Robert Johnson ainda está entre nós.

Indispensável ☆☆☆☆☆    

Veja o trailer.
        

Comentários

Postagens mais visitadas