Ouça "Songs for Judy", novo álbum de Neil Young

Reprodução
Registro joga luz no set acústico de seu tour de 1976

Capa de "Songs for Judy". Divulgação
Por Márcio Grings

Em novembro de 1976, Jimmy Carter acabara de ser eleito Presidente dos Estados Unidos. O Vietnã já podia ser visto pelo espelho retrovisor e Neil Young acabara de completar 31 anos. Parte da crítica acreditava que o canadense encontrava-se no seu auge (e estava). No entanto, com a vida pessoal virada de ponta-cabeça, num autoflagelo após o término do relacionamento do músico com atriz Carrie Snodgress, sua resposta/antídoto ao caos particular é a grande resposta de um artista: escrever músicas e pegar a estrada.

Só que naquele novembro de 76, antes de sentar a lenha com o Crazy Horse no set elétrico, Neil Young resolve abrir os shows com canções acústicas na primeira parte das apresentações, temas que encapsulavam uma vasta produção autoral que não cabia nos seus discos. "Too far gone", por exemplo, tema que abre o "Songs for Judy", só viria a ser gravada oficialmente 13 anos depois, em "Freedom" (1989). Já "No one seems to know" continua inédita até hoje. O registro do tour de 1976 ganha lançamento inicialmente em CD, mas uma edição em vinil chega às lojas no próximo dia 14 

Arquivo pessoal
A seleção de repertório foi capitaneada pelo jornalista/cineasta Cameron Crowe e pelo fotógrafo Joel Bernstein. Na época, ambos estavam no entourage do tour de 1976. "Os shows foram informais e bonitos", disse Crowe. "As noites começavam com um set de solo acústico de uma hora de duração". Bernstein gravou várias apresentações em fita cassete, originalmente destinada apenas para registro próprio. "Percebi  que gravar essas fitas era uma ótima ideia", disse. "Na época, cassetes de 90 minutos era encontrados em qualquer lojinha de beira de estrada dos EUA. No total, Berstein acompanhou 18 shows em 12 cidades. "Como a turnê seguiu em frente, o material das fitinhas tomou corpo, todos cheios de pedras preciosas". Selecionar o material não foi não foi tarefa fácil. "Durante dias ouvimos e separamos as preferidas", lembrou Crowe. "Acorde, tome café da manhã, mergulhe de volta nas gravações e  decida qual das 12 versões de 'Old Laughing Lady' é a melhor".  Eu próprio já tinha meu bootleg com músicas gravadas por Joel (imagem acima), claro que sem o acabamento e o restauro de áudio de "Songs for Judy". 
Foto de Joel Berstein que registra Neil e sua banda na estrada. O primeiro a esquerda é Cameron Crowe
Ouça na íntegra o material selecionado pór Berstein e Crowe.
 

Comentários

Postagens mais visitadas