5 Motivos para não perder o Mississippi Delta Blues Festival 2018 - Shack Edition

Divulgação MDBF
Maior festival de blues do continente fora dos EUA começa nesta quinta-feira em Caxias do Sul

Participar do Mississippi Delta Blues Festival é uma experiência epifânica. Se você gosta de música, seja bem-vindo a Terra dos Sonhos. Essa materialização tão distante do berço original do blues consegue parear tamanha identidade e coerência com os arquétipos do gênero, quando inevitavelmente sentimos uma deliciosa sensação de estarmos num país independente, uma nação totalmente dedicada ao nosso deleite como apreciadores da música negra norte-americana.

E num território livre, cosmopolita e repleto de artistas de diversas nacionalidades e lugares, é chegada a hora de curtir nosso carnaval em novembro; Mardi Gras; festa da firma, como dizem os colaboradores do evento; e certamente um verdadeiro circuito de atividades, atrações, expositores, vários ingredientes a convergir numa composição única em termos de eventos do gênero no país. A 11° edição do Mississippi Delta Blues Festival, o maior e mais tradicional festival de blues do continente fora dos EUA, inicia nesta quinta-feira (22), e segue até sábado (24), no largo da Estação Férrea de Caxias do Sul, na Serra gaúcha. 


Não que seja necessário, mas pra colocar aquela 'pilha' nos indecisos de plantão, segue aqui 5 toques de por que você não pode perder a edição 2018 do festival.

SETE PALCOS

São seis palcos. Você não precisa de novos óculos, sim, eu disse SEIS palcos. Vamos a eles - Hopson Stage: espaço que recebe os principais shows do MDBF, inspirado na antiga General Store da Hopson Plantation - área icônica do blues no Mississippi; Front Porch Stage: a "Casinha do Blues", construída nos moldes dos autênticos "shacks" do Mississippi, inferninhos que serviram de lar para um número incontável de bluesmen. Só quem já presenciou um show no Front Porch entende a magia que acontece naquela varanda; Folk Stage: palco dedicado a um dos gênero coirmãos do blues; Mississippi Delta Stage: palco do templo do blues no Brasil, espaço que já abrigou shows de verdadeiras lendas do gênero. Durante o MDBF é também o tablado em que acontecem as tradicionais jam sessions; Flea Market Stage: o mercado aberto inspirado na Maxwell Street de Chicago no MDB; Magnolia Stage: eis o palco feminino do evento, local por onde circulam as grandes cantoras do MDBF; Overseas Stage - ponto de convergência para os amantes da dança no MDBF. Dramatizações de como a chegada dos povos africanos, seu reflexo em nossa cultura e toda a carga cultural incorporada aos afro-americanos, ainda reverbera em nossas manifestações socioculturais, tanto aqui, quanto nos EUA. Serão duas intervenções artísticas na Plataforma de Embarque da Estação Férrea: 21h10min e 23h20min. O Overseas Stage conta com o apoio cultural da Unimed Nordeste RS e financiamento LIC Municipal de Caxias do Sul.

Ian Siegal, um dos headliners da edição 2018 do MDBF. Foto: divulgação
MAIS DE 70 ATRAÇÕES

Vários shows internacionais movimentam o evento. Atente para o indiano radicado na Califórnia, Aki Kumar, que faz uma fusão do blues com a música de Bollywood; chance de ver a diva revelação do Mississippi, J.J.Thames, que vem pela primeira vez ao Brasil; oportunidade de reencontrar o baixista Bob Stroger, embaixador do Festival, além do guitarrista britânico Ian Siegal, que retorna após uma performance impressionante em 2017. Vale também destacar a presença de uma das grandes vozes do hill country blues ainda vivas, Bill "Howl-N-Madd" Perry, nome que se apresentará ao lado da filha, a cantora, compositora e pianista Shy Perry.

Confira a programação completa dos três dias de evento

Outra estreia fica por conta de uma das maiores artistas da música brasileira, Angela Ro Ro, cantora que desde outras edições já estava na mira da organização do MDBF. Artista carioca pisa no palco dedicado exclusivamente às vozes femininas, o Magnolia Stage. O line-up ainda traz a autenticidade de Zé Pretim; o ex “Baseado em Blues” André Casquilho, acompanhado dos Blues Groovers. Outro destaque fica por conta de Marcelo Villela, conhecido como um dos primeiros músicos a montar uma banda de blues no Brasil, a Doctor Blues, atração do palco principal.

NÃO É SÓ UM EVENTO MUSICAL, É MUITO MAIS!

Além dos seis palcos musicais, o público presente no MDBF e que tem interesse em aprofundar seu conhecimento sobre o blues e a música em geral, pode fazer parte dos diversos workshops que ocorrem nos 3 dias do evento. Não há necessidade de inscrição e/ou conhecimento musical prévio. Organizado pela Teclas & Cordas – Cursos de Música, com curadoria de Ricardo Biga. Neste ano o espaço Blues Art Ville, ambiente dedicado às Artes Visuais comemora sua sétima edição no Festival. Com a curadoria de Mona Carvalho, os artistas visuais apresentam ao público do evento trabalhos que dialogam com a temática do blues, aproximando diferentes segmentos artísticos e revelando novos talentos.

AINDA HÁ INGRESSOS À VENDA

Caso tenha tomado conhecimento do MDBF somente agora com essa postagem, se há uma brecha na sua agenda para aproveitar todo o evento ou até apenas algum dos dias, considere-se uma afortunado, pois ainda há ingressos à venda. Compre AQUI (com opões de parcelamento). Para o público da Serra, o Mississippi (bar), estará aberto nesta terça e quarta-feiradas, das 13h30 até 1 da manhã (pagamento só em espécie).   

Divulgação MDBF
ROCK IN RIO DO BLUES

Quando as pessoas me desafiam a explicar a experiência de assistir ao evento, eu brinco que o MDBF é uma espécie de 'Rock in Rio de blues'. E de forma premonitória, enquanto o público se prepara para curtir a edição desse ano do Mississippi Delta Blues Festival, ainda em Caxias, o evento aproveita para celebrar boas novas blueseiras também no Rio de Janeiro. Na capital fluminense. o bar possui filial desde 2017, e com isso, a primeira edição do MDBF carioca já tem data para rolar: será nos dias 23, 24 e 25 de maio de 2019. A festa ocorre na região portuária, HUB RJ, e terá conceito de Bottle Tree Edition, repetindo os moldes da decoração realizada por aqui na edição de 2016. Toyo Bagoso, criador e organizador do MDBF, revela que a edição carioca terá cinco palcos: Bottle Tree Stage, Front Porch Stage, Magnolia Stage, Quiosque Quase 9 e Banca do Blues.

Toque bônusGOSTA DE BLUES E ESTÁ INDECISO SE VAI OU NÃO VAI?

Nunca fui em nenhum festival de blues nos Estados Unidos, mas a sensação é que não estamos numa cidade brasileira, mas sim num novo país chamado Bluesland. Além dos shows, as atividades paralelas movimentam o amplo espaço que toma conta do antigo complexo ferroviário local - com isso, sempre há o que curtir. Depois você vai ler o review do espetáculo em nosso site, irá conferir as repercussões na rede e poderá inevitavelmente se perguntar: “Por que raios eu não fui ao MDBF 2018?”. Eu não tenho a mínima ideia. Nos vemos por lá.

mdbf_2017 from Gabriela Demore on Vimeo.

Comentários

Postagens mais visitadas