Entrevista: Gustavo Telles fala sobre seu trabalho e o show em Santa Maria

Foto: Rodrigo Marroni
No próximo dia 31 de Agosto, Santa Maria irá receber um dos nomes mais interessantes da cena autoral gaúcha nos últimos anos. Trata-se de Gustavo Telles, que ao lado de sua banda, Os Escolhidos, se apresenta no Plataforma 85 (Largo da Estação Férrea, anexo ao Mercado Público). 


Faz praticamente uma década que Gustavo Telles atua como cantor/compositor com o projeto Gustavo Telles & Os Escolhidos. Antes mesmo de deixar o trio instrumental Pata de Elefante, Telles já trabalhava simultaneamente em sua carreira solo. E lá se vai quase uma década, e nesse meio tempo, o músico gaúcho acredita que o espectro de seus três álbuns de estúdio e um registro ao vivo acabaram por imprimir uma digital translúcida dessa atuação: "Desde o início, eu tinha certa clareza em relação ao que gostaria de desenvolver. No entanto, tem coisas que escapam do que foi planejado ou vislumbrado, e isso é que é legal", fala na boa o músico, em entrevista ao Memorabilia. "Compor é o que mais gosto de fazer.  Componho de uma forma intuitiva, espontânea, muitas vezes de uma maneira catártica. Geralmente escrevo dentro de uma concepção musical que já tenho em mente, ou seja, as canções nascem com um certo direcionamento". Até certo ponto, essa visão musical pode indicar uma direção trilhada por  antigas pegadas, mas Telles acredita que há espaço para sua gema única e indivisível: "Durante o processo todo, a música vai ganhando outros contornos, e aí que está a graça, porque não há como ter controle sobre o resultado final de cada canção". 

Foto: Rodrigo Marroni
Ao lado de um time flutuante de escudeiros, Gustavo Telles já colocou nas prateleiras três álbuns de estúdio - "Do seu amor primeiro é você que precisa" (2010), "Eu perdi o medo de errar" (2013) e o álbum homônimo "Gustavo Telles & Os Escolhidos" (2017). Sobre o último trabalho, ele reflete: "Este novo álbum é reflexo das ideias  que desenvolvi junto com os músicos que participam dele. Nos dispusemos  a fazer um disco cru, que tivesse a soul music como tônica e que soasse forte, pungente. Acredito que conseguimos". Na verdade, há uma diferença clara entre os dois primeiros títulos e o mais recente. Antes, o tempero soul era apenas um ingrediente dentro de um cardápio onde as tintas do rock da primeira metade dos anos 1970 e o country rock davam o tom principal. No novo disco, o soul fala mais alto. "As propostas eram diferentes. No final das contas o bacana é o artista fazer o que realmente está a fim de fazer. No próximo, certamente buscarei novas possibilidades". E qual seria a fórmula que Telles cozinha sua música?: "O som que faço com Os Escolhidos tem a influência do folk, do country, do soul, do blues, do rock clássico, de gêneros que nasceram  nos EUA. No entanto, trata-se de rock brasileiro. Acredito que as letras evidenciam isso".  

Foto: Rodrigo Marroni
Outro detalhe interessante passa pelos 'Escolhidos' que o acompanham no próximo show do dia 31 em Santa Maria: "No primeiro disco, foram 12 músicos. No segundo, 15. No terceiro, que é ao Vivo, foram 16. Cheguei à fazer um show com 25 músicos, incluindo convidados. Foi quando me dei conta que queria fazer o contrário: montar uma banda com poucos integrantes para trabalhar facilmente a sonoridade e também para poder se deslocar mais facilmente. Assim, a partir desse álbum, pela primeira vez há uma formação fixa". Ao lado Gustavo Telles (voz e bateria) estão Daniel Mossmann (guitarra), Felipe Kautz (baixo e voz de apoio) e Murilo Moura (teclados e voz de apoio), mesmo quarteto que gravou o último álbum do músico.

Foto: Rodrigo Marroni
Depois de passado um bom tempo, muitas vezes o show pode ultrapassar o resultado eternizado num álbum. Telles acredita que o palco possui um combustível que turbina as canções: "O disco soa muito bem. E o show também (risos). Cada um com suas peculiaridades. A gravação fica e pode ser reproduzida. Já o show, por mais que se toque igual ao disco, é sempre algo único. Quase sempre a experiência de ver uma banda ao vivo ainda representa uma visão mais crua e áspera do que está registrado num álbum". Segundo o músico, essa liberdade de poder olhar pra frente, tratando a música como um organismo vivo, nos empresta ares de ineditismo: "Na estrada, temos testado diferentes versões. Às vezes, tocamos alguma música em outro andamento. É bacana se dar o direito de fazer essas experiências". 

Ouça "Do seu Amor primeiro é você quem precisa" (2010)
Ouça "Eu perdi o medo de errar" (2013)
Ouça "Ao vivo no Theatro São Pedro" (2017)
Ouça "Gustavo Telles & os Escolhidos" (2017)

Daqui há aluns dias. Gustavo Telles e os seus tocando tocam num bar da Boca do Monte, cidade já visitada pelo músico em outros tempos e projetos: "Fiz shows muito bacanas em Santa Maria, isso na época da Pata de Elefante. É uma cidade acolhedora". E quando perguntado sobre o repertório, o artista não esconde a graxa debaixo do casco: "O repertório contemplará boa parte do novo álbum. Do primeiro, do segundo disco, assim não faltarão canções como "Do seu amor, primeiro é você quem precisa ", "A dor de morrer", Passo a passo", "Girando em descompasso", "Eu perdi o medo de errar", "O tempo não vai nos afastar" e "Um motivo a mais para seguir", entre outras".

☆☆☆☆☆||| Serviço ||| ☆☆☆☆☆ Gustavo Telles & Os Escolhidos no Plataforma 85 (Largo da Estação Férrea, anexo ao Mercado Público - Santa Maria/RS): Quando: Sexta-feira, 31/08/2018 - Horário: portas abrem às 19h e o show é às 22h30 em ponto - Ingressos: R$ 35. Reservas de mesas pelo fone (55) 997016059.    

No dia do evento, o novo CD de Telles estará disponível para venda (R$ 10). O álbum ainda pode ser adquirido na Loja Disco Voador. O trabalho também será disponibilizado em vinil, com data de lançamento agendada para dezembro desse ano. 

Comentários

Postagens mais visitadas