ENTREVISTA EXCLUSIVA: Memorabilia conversa com Billy Gibbons, guitarrista do ZZ TOP




Billy Gibbons (ZZ TOP). Banda norte-americana toca no próximo domingo em PoA. Foto: Divulgação 
#

Em entrevista ao Memorabilia, o músico norte-americano Billy Gibbons, guitarrista do mítico grupo texano que toca neste domingo em Porto Alegre (22), fala dos 40 anos de banda; descreve suas fórmulas de composição; rememora a amizade com Jimi Hendrix, e ainda se diverte em relatar temas onipresentes nas letras/vídeos do ZZ TOP (mulheres, churrasco & cerveja). Na entrevista exclusiva ao site, tivemos a colaboração do jornalista (e camarada de longa data) Homero Pivotto Jr.

Memorabilia - O ZZ Top está a 40 anos fazendo som com a mesma formação. Qual a receita dessa durabilidade?

Gibbons - Nós apenas curtimos o que estamos fazendo e com quem estamos fazendo. Então, não há uma razão real para mudar. Temos um tipo de sexto sentido em relação ao outro. Cada um pode sacar de antemão o que está rolando com os demais no processo de composição. É uma espécie de telepatia. 

Memorabilia - Em 1997, George W. Bush, então governador do Texas, proclamou o dia 15 de Maio como o “ZZ Top Day”. Será que vocês merecem essa honra? Não fiquem bravos, nós acreditamos que sim!

Gibbons - A predecessora de Bush, governadora Ann Richards, nomeou o ZZ Top como heróis oficiais do estado do Texas e Embaixadores da Boa Vontade. Estamos felizes que a data escolhida não foi a do dia dos bobos, em 1° abril. O bacana é que mesmo como heróis, nós não precisamos usar capas com freqüência. 

Memorabilia - É verdade que você e Dusty Hill, recusaram U$ 1 milhão de uma famosa marca de lâminas de barbear para tirarem as barbas em um comercial? Existe algum motivo para esse lance de deixar a barba crescer por tantos anos?

Gibbons - A verdade é que certa vez nós três demos um tempo da banda. Quando nos falávamos por telefone, a questão da barba nunca era discutida. Ao nos reencontramos pessoalmente, ficamos surpresos porque todos estavam com as barbas grandes - exceto o Frank Beard (Frank Barba), cujo sobrenome ironicamente é barba. Não foi algo planejado, mas nos sentimos confortáveis e apenas as mantemos crescendo desde então. É difícil ter certeza se isso nos deu superpoderes, mas como se vê, somos oficialmente heróis. Não podemos imaginar uma quantia de dinheiro que possa nos convencer a tirar essas coisas fora. Pensar em nos olharmos no espelho sem barba é muito assustador. Não dá pra imaginar isso. 

Memorabilia - E quanto a indicação ao Rock’n’Roll Hall of Fame. O que vocês sentiram quando Keith Richards introduziu a banda a esse seleto grupo de artistas?

Gibbons - Keith é dos maiores caras do mundo da música. Então, quando ele foi escolhido para nos apresentar, isso teve um significado transcendental. Amamos fazer parte de algo que inclui Howlin Wolf, Muddy Waters, Chuck Berry, Little Richard, Rolling Stones Nós estamos nisso há um bom tempo e essa validação carimbou nossa trajetória. É bom ter isso no currículo, ainda mais se algum dia tivermos de procurar um novo emprego. 

Memorabilia - Em 2010, completa-se 40 anos da morte de Jimi Hendrix. Vocês conheceram ele, certo?

Gibbons - Não só conhecemos Jimi como nossa banda pré-ZZ Top, The Moving Sidewalks, excursionou com ele. O cara era um pouco tímido fora do palco, mas muito amável e prestativo. Aprendemos um bocado com ele. Apesar de seu maravilhoso talento e sucesso, Jimi era um cara muito pé-no-chão. 

Memorabilia - Como o ZZ Top consegue criar canções tão simples, mas ao mesmo tempo tão intensas e com riffs poderosos?

Gibbons - Vocês descobriram nossa receita secreta - cantar sobre coisas que todos possam se identificar, como “Cheap Sunglasses” ou “Legs”, e potencializar isso com doses cavalares de blues. Adicione alguns ritmos monstruosos, volume no talo, mais uma pitada de acordes sujos e ganchudos. Aí, você mexe tudo e serve. 

Memorabilia - Como você enxerga o rock and roll de hoje? Se vocês tivessem que escolher uma banda nova parecida com o ZZ Top, qual seria? Por quê?

Gibbons - Somos incentivados porque existem algumas boas bandas aí fora detonando. O The Black Keys está chegando forte. Tem ainda nossos camaradas do Queens of the Stone Age, e um pessoal do texas: South Memphis, String Band, Black Joe Louis & The Honeybears. Gostamos também do White Stripes. A lista está crescendo. 

Memorabilia - Quando chegarmos aos 60 anos queremos deixar a barba crescer e montar uma banda de rock and roll. Só preciso que você me diga uma coisa: vamos conseguir pegar tantas garotas como vocês nos videoclipes?

Gibbons - Quando vocês tiverem 60 anos, talvez consigam pegar as filhas das meninas dos vídeos. 

Memorabilia - Para encerrar, Billy… Essa é primeira vez de vocês no Brasil e no Rio Grande do Sul, certo? Vocês sabem algo sobre a nossa cultura ou já ouviram falar sobre alguma banda daqui? E sobre o nosso churrasco, sabiam que é o melhor do país? Não?! Então amigos, sejam nossos convidados para comer essa deliciosa refeição e tomar algumas cervejas no Sul do Brasil!

Gibbons - Uau! Nosso box set que saiu alguns anos atrás se chama “Chrome, Smoke & B-B-Q” (amaciando a tradução: Chapa Quente, Fumaça e Churrasco). Então, vocês sabem que estamos nisso. Temos um som chamado Beer Drinkers and Hell Raisers (mais ou menos - Tomadores de cervejas e frequentador de inferninhos). É evidente que vamos querer matar a sede por aí. Com relação as bandas do Brasil, conhecemos Os Mutantes, mas não sabemos se eles são do seu estado. 

Memorabilia - Great, Billly! Nos vemos do próximo domingo.

Gibbons - Yeahhh! 

Comentários

Postagens mais visitadas