sexta-feira, 21 de abril de 2017

Iggy Pop, 70 anos. Confira entrevista com biógrafo Paul Trynka

Reprodução
Nesta sexta-feira Iggy Pop completa 70 anos. Há poucos dias, vendo o documentário “Danny Says” (disponível no Netflix) ,  me diverti com um breve entrevista dele no filme. Danny foi empresário dos Stooges (primeira banda de Iggy) e também foi o cara que promoveu o encontro entre Iggy Pop e David Bowie, que terminaria por produzir "The Idiot" (1977), um dos melhores álbuns do cantor. A palavra 'sobrevivente' parece fazer um sentido danado quando imaginamos a figura esquálida de Iggy. Não sou um grande fã de Iggy, mas admiro sua reinvenção nos últimos discos.  

Reproduzo aqui no Memorabilia uma entrevista com o biógrafo do músico, Paul Trynka, matéria publicada no site do Jornal O Globo Quem assina a reportagem é o jornalista Pedro Só.   

>> Como diz o jornalista inglês Paul Trynka, autor de sua biografia definitiva (“A vida e a música de Iggy Pop — Open up and bleed”, Editora Aleph), o inoxidável pioneiro do punk “não vai entrar docilmente na boa noite”. Manco há mais de uma década, por conta de lesões maltratadas no tornozelo e no quadril, o cantor é o primeiro a brincar com as perdas de audição sofridas (“estou surdo feito uma pedra”, disse, em recente entrevista). Ainda assim, com um vasto passado de hábitos autodestrutivos dentro e fora dos palcos, Iggy Pop chega aos 70 anos — completos hoje — com uma performance ao vivo energética e atlética. A partir de maio, sai em turnê que inclui noites como atração principal em festivais nos Estados Unidos e na Europa.

No ano passado, lançou um dos melhores discos de toda sua carreira (na opinião de Trynka e de boa parte da crítica mundial), “Post pop depression”, feito com a ajuda de Josh Homme (Queens of the Stone Age), um dos mais respeitados nomes do rock atual.
Iggy segue subvertendo até mesmo a imagem que construiu nas seis primeiras décadas de vida. Seu mais recente projeto é o documentário “Permanecer vivo — Um método”, em que aparece ao lado de seu amigo e fã, o polêmico escritor francês Michel Houellebecq (autor do roteiro, coassinado pelo diretor, o holandês Erik Lieshout). Atração do festival É Tudo Verdade, o filme tem exibição hoje, às 19h, no Espaço Itaú de Cinema, e na próxima terça-feira, dia 25, às 13h, no Espaço Cultural BNDES, no Rio.

Baseado em um texto de Houellebecq, “Permanecer vivo” pode ser definido como uma espécie de autoajuda culta e levemente deprê, com direito a truques como o uso de “Adagio for strings”, de Samuel Barber, na trilha. Mas mostra um lado denso e inusitado do sempre inquieto Mr. Osterberg.
Filho de um professor de high school e de uma secretária, James Newell Osterberg Jr. foi criado em um trailer, na periferia de Detroit. Tinha bronquite e tirava ótimas notas. Autoapelido: Cérebro Atômico.

Ao GLOBO, Trynka, que também biografou David Bowie e Brian Jones, situa Iggy como um dos mais importantes sobreviventes do rock e comenta sua chegada à marca dos 70.

Como você vê Iggy Pop chegar aos 70 anos, subvertendo o estereótipo do punk selvagem com projetos como “Permanecer vivo”, depois de ter feito dois discos de chanson francesa e jazz, “Préliminaires” (2009) e Après (2012)?

Eu adorei “Préliminaires”. Sempre achei que ele tinha uma voz magnífica, que poderia funcionar em diferentes ambientações. Mas fiquei surpreso mesmo foi com o quanto é bom seu último álbum, “Post pop depression”. É um dos pontos altos da carreira dele! Então creio que Iggy não vai “entrar docilmente na boa noite” (citação do famoso poema de Dylan Thomas “Do not go gentle into that good night”, sobre o fim da vida).

A biografia “Open up and bleed”, de sua autoria, conta a história de Iggy Pop até 2006. Nos últimos 11 anos, ele conseguiu se tornar muito mais bem-sucedido em termos financeiros. Você esperava que isso acontecesse?

Ele foi um pioneiro, e pioneiros sempre levam todas as flechadas. Mas sempre achei que, se Iggy continuasse em atividade por muitos anos, daria tempo para o mundo alcançar o que ele fazia. Foi o que ocorreu.

De todas as mudanças e escolhas criativas de Iggy Pop nos últimos dez anos, qual o surpreendeu mais?

Acho que nenhuma foi exatamente um choque. O que ainda é chocante é ver aquele senhor algo frágil de fora dos palcos se transformar ao entrar em ação: a idade cai, e o peso dos anos some imediatamente.
Você é um estudioso do jeans (lançou em 2002 “Denim: dos caubóis para as passarelas”, não editado no Brasil). Sabia que em uma das passagens pelo Rio (a segunda, em 2004), Iggy comprou, virou fã e passou a usar calças da Gang, marca de modelagem superjusta?

Hahaha! Bem, ele sempre foi um pioneiro nessa área. Quando deixou Ann Arbor (sua cidade natal, nos arredores de Detroit) para gravar “Funhouse” com os Stooges em 1970, levou apenas um par de jeans, e esse foi basicamente todo o seu guarda-roupa por muito tempo. À medida que essa calça foi se desgastando e se acabando, ele ajudou a criar a moda dos jeans rasgados.

Você mantém contato com Iggy Pop? Como ficou a relação com o biografado após o lançamento do livro?

Eu fui bem próximo dele durante o tempo em que trabalhei no livro — embora não fosse uma biografia autorizada, ele foi bastante aberto e colaborativo. Desde então, tivemos apenas interações esporádicas. Não deve ser fácil lidar com alguém que investigou a fundo meandros e recantos escuros da sua vida. Mas ele foi legal comigo, mostrou-se grato por ter feito um trabalho digno: um grande livro para celebrar uma grande vida.

O que você aprendeu ao investigar a vida de Iggy Pop e pôde aplicar na sua vida pessoal?

Foi uma viagem estranha. Demorei muito tempo e viajei pra bem longe. Tantas pessoas que eu entrevistei morreram nos últimos anos... Acho que isso me estimulou a amar a vida e usar melhor o tempo que nós temos, sem desperdícios.

Você também escreveu biografias de David Bowie (“Starman”, de 2011) e Brian Jones (“Sympathy for the devil”, de 2015) — ambas inéditas no Brasil. Na obra sobre o stone morto em 1969, Mick Jagger e Keith Richards têm sua importância dentro da banda redimensionada. Diria que Iggy Pop é o mais importante roqueiro vivo?

Eu não acredito em rankings para a arte! O que posso dizer é que Iggy mudou a forma como a música é feita. O efeito disso está em volta de todos nós, podemos senti-lo ligando o rádio ou dando uma volta pela rua. Em termos de impacto no mundo, acho bastante difícil superar isso.

Como você vê a mitologia do rock daqui a dez, quinze anos, quando todos os maiores nomes provavelmente não estarão mais em ação?

Tem sido esquisita pra mim esta última década. Meu primeiro grande livro foi uma história oral do blues, que me levou a entrevistar pessoas incríveis como John Lee Hooker (1917-2001), B. B. King (1925-2015) e Johnny Guitar Watson (1935-1996), entre tantos outros. Eram caras sensacionais, que de muitas maneiras ainda pareciam jovens para mim, porque a música deles estava forte. Agora quase todos eles se foram, é difícil lidar com isso. Como é que todos aqueles caras cheios de vida foram se transformar em simples verbetes, em História? Mas basta que poucas pessoas ouçam os discos, e os artistas se tornam jovens de novo. O poder da música deles ainda fala para todos nós >>>

Link original da entrevista realizada por Pedro Só

Nenhum comentário:

Postar um comentário