O Homem Que Caiu na Terra retorna aos cinemas

Divulgação

Cultuado filme de 1976 estrelado por David Bowie será exibido em algumas cidades do país


Por Paulo Cavalcanti (RS)
Estes últimos dias pertenceram a David Bowie. No dia 8, o astro foi celebrado pelos 70 anos que completaria se estivesse vivo. Já em 10 de janeiro, o planeta lembrou que ele havia morrido havia exatamente um ano. Para fechar a semana Bowie, ele volta à tela grande a partir desta quinta, 12, com O Homem Que Caiu na Terra, o polêmico e cultuado filme que Bowie estrelou em 1976 e que foi dirigido por Nicolas Roeg. As cópias foram remasterizadas e o filme está na íntegra, com 138 minutos – basta lembrar que ele circulou em muitas versões cortadas e editadas, especialmente nas cenas de sexo e nudez. O filme será exibido em locais e datas específicas.
No filme, Bowie vive Thomas Jerome Newton, um misterioso homem de negócios supostamente inglês que vai aos Estados Unidos e fica milionário ao fabricar e patentear uma série de engenhocas incomuns. Na verdade, Newton é um humanoide que veio de um planeta distante, fugindo de uma terrível seca que devastou o local e matou sua mulher e filhos. Com a fortuna que acumulou com sua empresa World Enterprises Corporation, ele pretende construir uma espécie de nave espacial que possa levar água da Terra para o local de onde veio. Tudo vai dando certo conforme o planejado, mas o alienígena perde o passo ao começar a se “humanizar”.
Quando vai a negócios para o Novo México, ele se envolve com uma funcionária de hotel emocionalmente carente chamada Mary-Lou (Candy Clark). Ela bagunça a cabeça do impassível criatura e apresenta a Newton tentações das quais ele não consegue se livrar: sexo e álcool. Newton começa a experimentar as contradições e complexidades dos humanos ainda mais depois que passa a ter como mentor o engenheiro e professor desiludido Nathan Bryce (Rip Torn). O governo norte-americano também ajuda na derrocada de Newton ao começar a investigá-lo. Afinal, quem seria aquele ser misterioso fazendo tanta confusão, mexendo no status quo do mundo corporativo e ainda se intrometendo no programa espacial?
Desde que lançou o hit “Space Oddity”, em 1969, e quando criou Ziggy Stardust, em 1972, Bowie sempre pareceu incorporar a persona do ser de outro planeta vagando no espaço ou então perdido na Terra. Quando filmou O Homem Que Caiu na Terra, o músico estava na fase que chamou de “O Duque Branco Magro”. Bowie estava mergulhado nas drogas, esquelético e pálido. Este visual de decadência chic conferiu ainda mais autenticidade para ele que vivesse o visitante de outro planeta. Mas independente do visual andrógino de Bowie, que é adequado ao filme, é preciso lembrar que ele era um dos poucos cantores de rock que realmente sabiam interpretar. O personagem dele é curioso, alienado, vulnerável e trágico, mas nunca perde a áurea cool. Com seu cabelo laranja e movimentos teatrais, Bowie preenche a tela com uma presença que não é facilmente esquecida. Claro, a presença dele é o maior chamariz para os fãs, mas o elenco de apoio, com nomes não muito lembrados hoje, também acrescenta bons momentos a este filme incomum.

Quando foi lançado, O Homem Que Caiu na Terra recebeu várias críticas negativas. Os detratores apontavam que o filme era uma daquelas alegorias auto-indulgentes remanescentes da contracultura. Alguns escreveram que ele não tinha sentido e que era muito longo. Mas visto sob uma perspectiva de 40 anos depois, a obra se sustenta não só como curiosidade. Ela se mantém relevante ao tratar de temas como o esgotamento de recursos naturais e a ingerência governamental em assuntos particulares. Apesar do ritmo em alguns momentos se mostrar mais contemplativo e da narrativa não ser linear, especialmente no terceiro ato, o filme também traz um pouco da paranoia e alienação dos anos 1970.

O visual delirante e repleto de cores explosivas criado pelo diretor de fotografia Anthony B. Richmond se destaca, assim como a trilha sonora. O escore foi escrito por John Phillips (ex-The Mamas and The Papas). O Homem Que Caiu na Terra é uma verdadeira experiência e vivê-la na telona é melhor ainda. Na capital gaúcha o filme está sendo exibido no Espaço Itáu Porto Alegre (Av. Túlio de Rose, 80 - Passo d'Areia). Informaçoes sobre horário de exibição ligue (51) 3341-0576.

Comentários

Postagens mais visitadas