RESENHA: "DEDO DE VIDRO", DE OLY JR

Divulgação

Essa jogada de misturar a música feita aqui no estado com o blues não é um fato novo. Pelo menos de maneira implícita. Se ouvirmos com atenção discos de Bebeto Alves como “Milongueando uns troços” (1995) e “Mandando lenha” (1998), assim como o próprio “Ramilonga”, de Vitor Ramil, dá pra perceber uma série de nuanças de blues nesses respectivos trabalhos. Agora, se nós formos falar de maneira explícita, faz tempo que esse cruzamento entre blues e o vernáculo da música regional tem um paladino. Seu nome é Oly Jr.

O mais interessante do novo trabalho do músico porto-alegrense é que ele mais uma vez nos desafia com suas inspirações. Em primeiro lugar, sim, eu também tenho certeza que há semelhanças entre o cancioneiro daqui do sul (e de alguns lugares do Brasil), com o som feito pelos bluesman norte-americanos. No que se refere às mazelas e contradições de um sistema que sufoca e tritura o artista em vida, e o idolatra quando ele ganha uma lápide, bom, a humanidade parece ser dotada de uma necrofilia artística nata. No ponto de vista técnico e musical, é óbvio que também há, e não são poucos esses movimentos que nos aproximam.

Foto: Jonas Pereira
E aí chegamos a “Dedo de Vidro”, décimo primeiro trabalho de Oly Jr, e um disco que promove esse cruzamento deliberado entre gêneros que aparentemente não conversam. Essa pluralidade (não seria singularidade?) pode ser sacada de cara quando Oly declara que o álbum foi inspirado por nomes como Robert Johnson, Mississippi Fred McDowell, Son House, Julio Reny, Bebeto Alves, Vitor Ramil, Mauro Moraes, Noel Guarany, Jayme Caetano Braun, Tião Carreiro, Zé Cocô do Riachão, Helena Meirelles, Renato Teixeira, Rolando Boldrin, entre tantos outros que serão citados no futuro encarte.

Na verdade, Oly vem burilando e aprimorando essa fórmula faz um bom tempo, e cada vez mais ele parece estar ‘chegando lá’. O músico usa dois instrumentos para alavancar esse flerte promíscuo (à primeira vista): uma viola de 10 cordas e uma guitarra de 10 cordas, ou guitarola como ele se refere carinhosamente ao instrumento que foi envenenado e preparado pelo luthier André Moraes.
Ouvir “Dedo de Vidro” é como fazer uma incursão pelo universo olyniano, um mundo pautado pela sua viola e o slide (daí a referência ao nome do disco), e uma mistura encardida de blues, milonga, folk, rock, e outros sotaques musicais. No entanto, o que mais me agrada, além da sonoridade propositalmente ‘embluada’, passa pela temática das letras. Nesse ponto Oly nos mostra que também não está pra brincadeira.

Foto: Fabiano Dallmeyer
“Dedo de Vidro” abre com “É mais um blues em português”, cartão de visitas que nos dá as cartas de como funciona o trabalho. Em “Eu canto blues”, candidata a uma das melhores do disco, e com participação do tecladista Luciano Leães, Oly abre a caixa de ferramentas e diz “Eu canto blues quando eu tô feliz / Eu canto blues quando eu tô deprê / Eu canto blues pra me satisfazer / Eu canto blues em Porto Alegre pra sobreviver”. “Uma avença” passa por um dos temas mais folclóricos do gênero: o pacto com o diabo. E por mais que essa parola pareça esgotada, de uma forma muito própria, Oly consegue mistura Blau Nunes com Robert Johnson, sem que isso soe como um blues do crioulo doido.

Coloque na conta do violão, da guitarola e da harmônica folk, pois “Vindo de um lugar qualquer” não passa de uma milonga disfarçada com tintas blueseiras extrema. E se a lendária enchente de 1929 no Rio Mississippi rendeu canções como “When The Leeve Breaks”, clássico de Memphis Minnie e Kansas Joe McCoy que foi repaginada pelo Led Zeppelin, Oly usa a enchente que assustou a população de Porto Alegre em 1941 para compor “O muro da Mauá”. Genial. “Mendigo da noite”, momento country-blues de “Dedo de Vidro”, toca no tema daqueles personagens perdidos em qualquer urbe do mundo. Homens sem perspectiva que imploram por cigarros, um trago de qualquer bebida, pobres e desamparados cidadãos da noite em busca de resguardo, um conforto momentâneo que sirva como placebo para enganar a si próprios.  A estrutura musical de “Zé Morão” lembra “Mosca na Sopa” de Raul Seixas. O protagonista é um personagem tipicamente brasileiro – que inclusive joga capoeira-, e que mesmo depois de morto, continua aprontando das suas.

Foto: Jonas Pereira
“Cidadão sul-brasileiro” outra das canções que defendem seu conceito musical, Oly entrega o jogo de novo: “gosto de misturar o folk daqui / com o folk de lá”. “Eu fiz uma canção” é uma balada que promove o momento mais bailinho da saudade de “Dedo de Vidro”, com destaque pra letra totalmente fora dos clichês. Só Oly Jr pra dizer coisas como: ”Ninguém quer morrer / Mas isso eu já providenciei / Eu fiz uma canção e te eternizei”. “Desculpe meu filho”, confesso que quase me levou as lágrimas. Além da levada canção de ninar bluesy, a letra, que homenageia seu filho, Dylan, não passa de uma confissão sincera de um pai para seu o seu guri. Candidata a canção eterna de “Dedo de Vidro”, com direito a um teclado que lembra o mellotron de “Rain Song”, do Led.

O álbum termina com a “Canção de Despertar”. Seu bombo leguero e toda a levada do som nos alude às canções clássicas dos festivais do Rio Grande do Sul, claro que tudo isso carregado no molho blueseiro.

Entre as colaborações, destaque para o baixista Jacques Jardim, músico que acompanha Oly desde 2009. Já Otávio Moura, residente no estúdio Musitek, gravou, mixou e masterizou “Dedo de Vidro”, além de também atuar como coprodutor. Vale o destaque que em 2009, ainda com a colaboração de Moura, Oly Jr e seu “Milonga Blues” levou o prêmio Açorianos daquele ano.

Oly Jr é um contador de histórias que eu paro pra ouvir. Ele foge dos clichês do blues e cria seu próprio idioma, demonstrando preocupações sociais, muitas vezes norteado pela história local. O músico abusa de expressões idiomáticas, divulga costumes do sul do país, mas sempre de uma forma extremamente simples, inteligente, não convencional e por isso universal.

Ouça o CD na íntegra:

Comentários

Postagens mais visitadas