Bebeto Alves "Mandando Lenha" - Santa Maria, 13 de Agosto de 2015


Fotos: Rafael Cony (Expertise Cultural)
#
Review Márcio Grings Colaborou Ana Bittencourt Fotos Rafael Cony

Depois de 18 anos, "Mandando Lenha" (1997), disco em que Bebeto Alves interpreta canções do compositor regionalista Mauro Moraes (existem mais dois CDs), finalmente ganha show. O première aconteceu em Buenos Aires, em junho. Com isso, na última quinta-feira (13), Santa Maria foi a segunda cidade (a primeira no país) a receber esse espetáculo inédito. O último e terceiro show do ano acontecerá em novembro no Theatro São Pedro, em Porto Alegre.

Ouça os especiais realizados pela extinta OTR, dissecando a história de "Mandando Lenha". Entrevistas com Bebeto Alves, Mauro Moraes, Lúcio Yanel, Marcello Caminha, Clóvis Boca Freire, Neto Fagundes, Shana Muller e Pedrinho Figueiredo.

Foto: Rafael Cony
No show em Buenos Aires, na inauguração do Centro Cultural Néstor Kirchner, um público de 1.750 pessoas presenciou esse retorno. Aqui na Boca do Monte, a apresentação acontece no Centro de Eventos do Itaimbé Palace Hotel. No palco, Bebeto Alves (voz), Clóvis ‘Boca’ Freire (baixo acústico) e Marcello Caminha (violão de náilon). E, Bebeto estava a fim de papo - contou histórias entre as músicas, revelou detalhes da parceria com Mauro Moraes e cantou muito.

Foto: Rafael Cony
Em uma estrevista, certa vez Janis Joplin disse: "Eu canto com a minha alma e com o meu corpo”. Sim, o uruguaianense Bebeto Alves, artista que partiu da fronteira oeste do RS para ganhar o mundo, joga nesse time. Vestido em seu elegante djellaba marroquino (óbvio que não seria uma pilcha), o cantor canta e sacoleja como poucos. Hiperativo, como intérprete utiliza o gestual para materializar-se como principal personagem frente às histórias que se desenrolam no palco.

"Chamamecero" (captação TV Santa Maria).



Uma das principais idiossincrasias dessa apresentação/álbum se dá pela configuração instrumental. Diferente de boa parte dos discos do gênero, apenas dois instrumentos comandam as ações: o contrabaixo acústico de ‘Boca’ Freire e o violão de náilon do músico argentino Lúcio Yanel (no show substituído pelo não menos talentoso Marcello Caminha). De todo o modo, na sonoridade há uma forte ligação folclórica e legítimos cruzamentos com a herança platina. E mais: nuanças jazzísticas, um toque erudito no arco que raspa contra as cordas do baixo, e com certa licença poética, dá pra dizer que até mesmo o blues surge entre as frestas no fraseado do violão, emergindo sorrateiro através das omissões promovidas pela ausência de outros instrumentos. E com isso, a música respira livremente.

"Milonga pra Loco" (captação TV Santa Maria).


Muito fácil perceber a emoção pairando no semblante da audiência santa-mariense. O álbum é tocado na ordem, começando com uma das canções símbolo dessa parceria, "Chamamecero", autêntica epístola da cartilha utilizada por Mauro Moraes - "Como se a escuridão trouxesse luz / Como se o coração fosse explodir / Mastiguei a fala, negaceei a mágoa / Só pra ver a lágrima feliz". Depois de cantar “No Fundo da Alma”, olhando nos olhos da audiência, Bebeto revela uma de suas epifanias nesse retorno ao álbum de 1997: “Eu as peguei pra mim, agora essas canções são minhas”, diz o artista ao se reconhecer como intérprete de um dos trabalhos mais significativos de sua carreira.

Foto: Rafael Cony
Afinal, ninguém canta melhor Mauro Moraes do que Bebeto. Nem o próprio Mauro. Na atitude, Bebeto ainda traz a lembrança do rock e o do soul. No magnetismo do intérprete, ao vivo, as canções crescem, se reinventam e ganham nuanças divergentes. A movimentação gestual de Bebeto compõe uma espécie de Teatro Nō 能楽, sugerido pelo explêndido desenho de luzes maquinado por Alexandre Lopes. No núcleo dessa ambiência, a combinação resultante é uma mescla de canto, pantomima, música e poesia, potencializando a fuga do lugar comum impregnado na música regionalista. Enquanto show, “Mandando Lenha” é um organismo vivo, longe de ser comparado a algo imóvel, engessado. Trata-se de uma peça única! Aliás, essa pode ser sua primeira e última vez frente ao espetáculo, então - fique ligado nos detalhes!

"Do Fundo da Alma"  (captação TV Santa Maria).


Temas como “Juntando os gravetos” e “Charla de tropa” absurdamente crescem na colisão do tête-à-tête com o palco. “Do fundo da alma” e “Com o violão na garupa” brilham ainda mais, a poesia de Mauro se amplia. É impossível não sentir o coração peleando para saltar do peito, inflado pelo difuso prisma materializado em tantas histórias, contos musicais afins a tantos de nós. Ao final, surpresa: bis com “Campereando” e “Em cima do laço”, músicas que promovem a ponteada final de uma noite histórica, relembrando outro disco da dupla Bebeto/Mauro, “Milongamento”, de 1999.

Foto: Rafael Cony
Grande parte das vezes sentimentos são imparáveis. Até por quê, sem comoção a vida fica opaca, insípida. Cada qual com sua história e bagagem. Eu, por exemplo, desabei em lágrimas em apenas três shows: Paul McCartney, Elton John e “Mandando Lenha”. E se, no palco, Bebeto, Caminha e Boca Freire formam um monstro de três cabeças, é porque há um espírito perturbado que perambula pela temática explorada nas composições de Mauro Moraes - cada frase de cada música contém o principal combustível responsável por mover a máquina humana - a emoção!

"Mandando Lenha em Santa Maria foi um oferecimento de Fundação Eny, Uglione, Ótica Sílvio Joalheiro, CDL Santa Maria e Klinikon. Apoio: Itaimbé Palace Hotel, TV Santa Maria, Mídia Urbana, Divino Restaurante e Eventos, Guds, Cinemashow, Jornal A Razão, The Park, Santa Brasa, HVinte Eventos, Serve Bem, Bella Festa e Sandor Mello Produções Artísticas

Foto: Rafael Cony
Realização: Expertise Cultural, On The Rocks e Grings - Tours, Produções e Eventos.

Nossos agradecimentos a todos os personagens de "Mandando Lenha" em Santa Maria: Bebeto Alves, Marcello Caminha, Clóvis "Boca" Freire, Rafael Cony (Expertise), Rodrigo Rheinheimer (técnico de som), Alexandre Lopes (técnico de luz), Luci Caminha, Ana Bittencourt, Paulo Teixeira, Pablito Diego, André e Thaís Trevisan, Renata Camargo, Sandor Melo, Andréa Amaro, Gika Oliva, Rodrigo Ricordi, Fabiano Dallmeyer, Priscila Fialcoff, Juliano Scheffelbein e equipe H20, Ademir Lima, Tiago Hoffman, Leandro Grazzioli, Aline Druzian Petrucci, Taís Beuren, Ewerton Falk, Tonho Saccol, Sávio Werlang. Caroline Viana, Elaine Santiago, Alexandre De Grandi, Mariana Borges, Patrícia Riet, Rosane Kasten, Pedro Vaz, Sandro Barrros e todos aqueles que acreditaram na realização do evento.

Foto: Rafael Cony

Foto: Rafael Cony

Foto: Rafael Cony

Foto: Rafael Cony

Foto: Rafael Cony

Foto: Rafael Cony

Comentários

Postagens mais visitadas