Uma pergunta:

Lady Day

Imagino o rosto imóvel & a gardênia entre os cabelos. A mulher que perdera seu homem estava lá, ela & sua taça de champanhe. Talvez pudesse permanecer naquele quadro por décadas, até algum artista descobri-la em sua fragilidade. Escultura, mapa sanguíneo, uma pintura. A geografia descrita em seu olhar triste indicava um caminho até o cume de algo confiável. É quase inacreditável, mas hoje parece que não mais nos importamos com os chiados dos discos de vinil. Os ‘tecs’ & pulos da agulha soam como parte da massa corpórea daquilo que ouvimos & sentimos de verdade. Abaixo a tecnologia de ponta, adeus as trombetas afinadas em escalas eruditas. Nesses dias translúcidos, a imperfeição é vista como algo pleno. Nunca o imaculado decalcou ares tão duvidosos.

Ah, meus 39 anos! A lente bifocal da experiência não deixa dúvidas. Tudo fica melhor quando peneirado pelo bolor dos anos. O vidro embaçado tem uma visão imparcial das coisas. A última noite que dormi contigo preparei uma refeição digna do cardápio dos Principados. Eu mereço paz & sossego depois de tanto esforço. Meu terno de defunto perdeu elegância na última vez que subi ao palco. Talvez tenha ganhado peso ou o tecido encolheu consideravelmente. Não tenho mais saco pra certas coisas. Deixa eu ficar quieto com minha barba por fazer & meu cheiro de falta de banho. Quando o amor cria rugas as palavras & gestos hidratantes perdem o efeito, é aí que percebemos as coisas como elas são. Billie geme no toca discos há três dias. Ela fala de novo sobre as mais puras & previsíveis verdades. Ainda quer morar comigo?

Comentários

  1. "...cheiro de falta de banho."
    Nananá... enche a bacia da roupa de água com shampoo, faz bastante espuma e se espreme pra caber dentro (toma do vidrinho de encolher da minha histórinha)!
    (muitas bacias já quebrei nesta fantasia de achar que era uma banheira chique)
    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas