Dentro de nossas bocas


Eu lembro da desculpa esfarrapada que me levou até aquela porta. Eu recordo minha dores toda vez que ela fala de qualquer tipo de dor. Eu percebi garbo naquela lady vestal sentada sozinha a minha espera. Durante o almoço, eu velei sua elegância ao mover os talheres sobre o prato. Subi até o topo a convite da beleza. Eu deixei um pilha de contas atrasadas & todas as minhas coisas espalhadas pela mesa da sala. Entrei no quarto & caminhei até a sacada. Eu não precisei olhar pra baixo ao implorar pelo perigo do décimo terceiro andar. Descalço, pude apontar o dedo na direção do meu esconderijo entre a bruma & a chuva. Muito a vontade eu viajei no vento que circulava pelo apartamento & embalava a coisa toda ladeira abaixo. Eu caí deliciosamente na profundidade de um olhar-precipício. Eu acho que os meus pés precisam de hidratação & sandálias novas. Eu nunca esquecerei da música que tocava quando sentei na cama dela. Eu perdi a noção do tempo algumas vezes aquele dia. Na tarde que fez calor, eu lembro qual dos meus dedos tocou primeiro nas costas dela. Pele branca que ficou rubra com a fricção das minhas mãos pequenas & leves. Quando o clima pesa eu preciso sacudir as coisas. Eu beijei o pescoço dela como a capa de um livro raro. Eu queria imergir nos seus lencóis & desaparecer naquele mar de novos aromas. Derrubar as placas de sinalização foi o próximo passo. Eu gostei de como minhas mãos se encaixaram naquelas curvas sinuosas. Eu lembro de Billy The Kid sendo alvejado pelas costas & desejei um bala perdida na minha outra vida. Eu vou zelar os castelos de areia movediça que contruí apenas para vê-la sorrir. Eu ainda levo comigo o gosto bom da língua dela ao som de Por una Cabeza. Eu vi Mohamed Ali caindo no primeiro round, eu estava ali bem ao seu lado. Eu fiquei decepcionado quando a ponte elevadiça me levou ao térreo um dia antes do acontecido. Eu ouvi o som do muro despencando de uma altura monstruosa. Eu derretia como um boneco de cera quando ela dizia a palavra mágica. Eu desejava a intensidade & longevidade de um solo de Charlie Parker. Só eu sei o quanto foi difícil sair daqueles correntes sã e salvo. Eu planejando a arquitetura da sabotagem enquanto o elevador ganhava abençoadas asas velozes dentro de nossas bocas.  

Eu não lembro de ter visto a marca de batom no espelho. Algumas coisas me escapam as vezes...

Comentários

  1. ...e todo o encantamento a escorrer...como licor...quando se morde o bombom...

    ResponderExcluir
  2. aqui também tem material...pô! vou ter q correr na produção,rsrs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas