Entrevista exclusiva Memorabilia: Mark Farner, membro fundador do Grand Funk Railroad

Divulgação MF
O Grand Funk foi uma das primeiras bandas americanas que fizeram minha cabeça quando comecei a ouvir rock and roll, lá pela primeira metade dos anos 1980. Lembro que um pouco antes de descobri-la, eu e minha turminha já vivíamos um desenfreado “delay” musical dos anos 1970. Ou seja: nosso barato eram bandas como Led, Purple, Beatles e Stones, entre outras, grande parte delas inglesas, diga-se de passagem. O som Da década de 80 era a música que tocava no rádio. Portanto, não nos interessava. Foi então que, em uma bela tarde calorenta qualquer, um novo “brother de som” me apresentou um LP do Grand Funk Railroad. 

O álbum em questão era o segundo (ainda como trio), o famoso disco da capa monocromática em vermelho e branco. Foi uma “chapoletada” e tanto que acabou confirmando minha convicção naquele tipo de rock. Dali em diante, o grupo de Mark Farner (vocal e guitarra), Mel Schacher (baixo) e Don Brewer (bateria e vocal) - logo depois Craig Frost (teclados), passou a ser presença efetiva no toca-discos lá de casa.

Dia 11 de março, no Opinião em Porto Alegre (Rua José do Patrocínio, 834), será a oportunidade de conferir mister Farner em carne e osso, no Opinião. 


O veterano mostrará que continua com bala na agulha para reviver bons momentos do passado glorioso como líder de uma das bandas mais gloriosas do rock setentista. A história confirma o GFR como um dos grupos mais populares dos EUA (no período entre 1971-1974), quando oportunamente eles preencheram uma lacuna entre o exílio dos Stones e o fim dos Beatles, batendo de frente com o Led Zeppelin, ignorando a crítica e vendendo milhões de discos. Primeiramente, travestido de hippies contestadores do mainstream e paladinos da política antibelicista ianque, e depois como figuras carimbadas do pop, usando as cores da bandeira americana como uniforme nas turnês e fotos promocionais.

Apesar de todas as contradições e oscilações, sem dúvida o Grand Funk merece seu lugar no TOP 10 do rock pesado dos anos 70. Em entrevista exclusiva, Farner declara seu amor incondicional ao rock americano, relembra os dias de glória, também confirma a rivalidade com o Led Zeppelin, fala de sua conversão ao cristianismo, e do alto de seus 63 anos, entoa frases de paz e amor como se ainda estivesse vivendo nos Estados Unidos no auge do Flower Power.

Blog - Como foi fazer parte de uma banda que definiu o espírito do som pesado do início dos anos de 1970?

Mark Farner - Eu acabara de fazer 20 anos quando nós começamos, em 1969. Na verdade, eu não tinha a mínima ideia de onde poderíamos chegar. Agora que estou um pouquinho mais velho posso dizer que me sinto muito feliz em saber que tantas pessoas amam a minha música. Rock n’ roll ao estilo americano! 

Blog - Quais os motivos que foram fundamentais para o Grand Funk ter se tornado uma das grandes bandas do seu tempo?

Mark Farner - Eu acho que Deus queria que eu escrevesse canções sobre a minha vida. São impressões daquilo que vi e senti quando deixei minha cidade natal em Michigan e voei de avião pela primeira vez. Tudo era surpreendente para um cara ingênuo como eu. Tinha que contar para o resto do mundo o que estava vendo e, conseqüentemente, deixar minha mensagem de paz e amor através daquelas canções.

Blog - E como é viver com o legado de uma discografia desse calibre? Digo isso em virtude de que é inevitável ouvir comparações entre o seu trabalho como um dos membros do Grand Funk e a carreira solo de Mark Farner.

Mark Farner - É a história da minha vida que está escrita ao longo dessa discografia! Eu não mudaria nada. Sou um homem orgulhoso das canções que fiz. Afinal, compus todos os temas dos primeiros seis álbuns e me sinto muito valorizado em saber que consegui atingir tantos corações ao redor do mundo. Sempre orei ao criador para que ele me inspirasse e pudesse tocar positivamente as pessoas que curtem rock and roll.

Blog - E aquela lendária história de que certa vez, enquanto o Grand Funk abria um show do tour americana do Led Zeppelin, Peter Grant, empresário do Led, mandou desligar os equipamentos do palco porque a banda de abertura estava roubando e espetáculo?

Mark Farner - Sim, é a pura verdade! Nós estávamos muito orgulhosos porque éramos uma banda americana abrindo para uma banda britânica muito conhecida. O GFR finalmente retornava a Michigan (depois de dois anos sem tocar lá) e a galera do nosso estado natal fazia questão de mostrar que estava sentindo nossa falta. Peter Grant não gostou disso e mandou puxar o fio da tomada. Depois que nos sacanearam, o Led esperou uma 1h30min para subir ao palco e cantarem ‘Rock ‘n’ Roll’ em inglês americano! Afinal, imitar alguém é a maior forma de elogio, não acha? Até hoje, todas as bandas de fora dos Estados Unidos têm que cantar em inglês americano, ou então não seria rock n’ roll. Bandas americanas têm uma vantagem porque não precisamos fingir o sotaque.

Blog - Falando em Led Zeppelin, o Grand Funk foi uma das poucas bandas que conseguiu rivalizar com os ingleses (em popularidade) durante a primeira metade dos anos 70. Como era essa disputa? Ou ela, de fato, nunca existiu?

Mark Farner - Eles gostariam, é claro, de pensar que são melhores no que fazem do que nós. Mas a verdade é que todos eles cantam em inglês americano e não o inglês da rainha.

Blog - 1973 e 1974 foram dois anos especiais para o GFR. Em 1973, a banda chegou ao topo das paradas como ‘We're An American Band’ (cantada pelo baterista Don Brewer) e, em 1974, ‘The Locomotion’ - canção de Carole King e Gerry Goffin - era presença garantida nas rádios do planeta. Essas foram as únicas duas canções de vocês a atingirem o n°1 das paradas. Inclusive aqui no Brasil, muitos fãs da banda abriram os olhos (e ouvidos) com esse último som. O que você recorda quando rememora essas duas canções?

Mark Farner - Quando nós fizemos ‘We’re An American Band’, estávamos compondo aquilo que Lynn Goldsmith (nosso RP) nos sugeriu na época. Foi Don quem escreveu a letra. ‘Locomotion’ foi gravada por Little Eva, ainda no início dos anos sessenta. Coincidentemente, eu cantava esse som de brincadeira quando Lynn entrou no estúdio de gravação. Todd Rundgren, que nos produzia naquele álbum, também me ouviu cantando e perguntou “que música é essa?”. Então, começamos a pensar em regravar a composição de Carole King. Nós nos divertíamos muito trabalhando com Todd!

Blog - E esse lance da banda de ter sido aclamada pelo público e ter a crítica torcendo o nariz, ou até mesmo ignorando o som de vocês, chegou a atrapalhar?

Mark Farner - Não, isso nunca nos perturbou. Ao lermos os comentários ficávamos imaginando que raios de banda eles queriam ouvir.

Blog - Logo após o fim do Grand Funk você iniciou carreira solo, teve problemas com álcool e em meados dos anos 80 se converteu ao cristianismo. Como foi o período após o fim da banda?

Mark Farner - Eu estava procurando pelo significado da vida. Comecei ir à igreja para encontrar Deus, mas eu estava errado. Acho que eu tinha que passar por essa experiência para logo depois descobrir que o reino dos céus está dentro de todos nós. Eu gravei alguns discos seguindo conselhos de alguns religiosos. No entanto, descobri que só os meus fãs e o Espírito Santo conhecem de verdade meu coração.

Blog - E qual a visão de Mark Farner sobre a música do nosso tempo? Ainda há espaço para o rock and roll?

Mark Farner - Enquanto as pessoas gostarem de dançar, viverem bons momentos, e continuarem a prestigiar as bandas que curtem, nós teremos rock n’ roll. O gênero nunca morrerá!

Blog - Que bandas atuais fazem a tua cabeça?

Mark Farner - Eu não ouço radio porque eu sou um compositor que está sempre voltado para o íntimo, para a próxima etapa de minha vida. Atualmente, não tenho tempo para escutar rádio porque minha esposa e eu estamos ocupados com a recuperação de nosso filho. (Em julho de 2009, Jesse ficou tetraplégico em um acidente quando estava acampando com alguns amigos).

Blog - Artisticamente falando, quem ou o quê ainda te inspira?

Mark Farner - Minha esposa Lesia e eu escutamos velhas canções de R&B em seu Ipod e costumamos dançar. Sempre há mensagens bacanas nas letras, e nós amamos dançar. Blog - Como será seu set aqui no Brasil? Mark Farner - Vou tocar na maioria músicas do GFR, com algumas novas canções.

Blog - Você já ficou sabendo que o GFR tem muitos fãs por aqui?

Mark Farner - Sim, alguns fãs brasileiros foram a um de nossos shows em Connecticut e nos disseram que a banda tinha muitos fãs no país. E estou muito animado em tocar para vocês.

Blog - Quais são seus planos para o futuro? Ou você acha que o futuro é reviver o passado?

Mark Farner - Vou continuar tocando música e escrevendo canções com as quais eu me conecto. Eu tenho feito muitas aparições com meus antigos parceiros e também ao lado de outras bandas que fizeram sucesso nos anos 70. O futuro será bom para todas as pessoas que fazem um esforço positivo para acabar com a guerra e têm uma consciência coletiva em prol da paz na terra. Os bons vencerão no final!


Blog - O que os fãs de Mark Farner e Grand Funk irão encontrar nas suas apresentações aqui no país? 

Mark Farner - Muito amor e uma banda de rock n’ roll séria. Keep Rockin’!

Comentários